RSS

Arquivo da tag: Artezin Zinfandel

Noite americana. Um encontro a ser lembrado!

Semana passada tivemos nosso último encontro dos winefreaks e o tema escolhido da noite foi os EUA. Não seguimos um critério específico de degustação, como castas, regiões ou produtores. Fizemos uma seleção de rótulos baseados em indicações e catálogos de parceiros. A idéia era degustar bons vinhos de diferentes produtores, pelo menos 3.

Fizemos uma seleção de três produtores, onde na verdade, um deles, Hess, possui três projetos diferentes, desta forma totalizando 5 diferentes projetos. Não sei se por fama ( as vezes falsa…), vinhos degustados anteriormente ou outra razão qualquer,  estávamos esperando uma degustação de bombas alcoólicas e chás de carvalho, mesmo sabendo que poderíamos encontrar grandes vinhos tínhamos este receio de ter uma noite pesada pela frente, mas, felizmente, não foi o que aconteceu, na verdade provamos vinhos de uma complexidade incrível.

O encontro aconteceu no restaurante Bergamota, no Ecoparque Sperry, com o chef Guilherme Sperry comandando o menu, como sempre os pratos foram memoráveis.

Vamos falar um pouco dos vinhos degustados neste encontro memorável.

Painter Bridge Chardonnay safra 2008. Produtor J. Lohr. Monterey / Califórnia. 13% álcool. Importado por Decanter

Iniciamos com este branco muito interessante, apesar de ser classificado como Chardonnay o produtor cortou 8% de Moscato Canalli, uma casta aromática que trouxe um frescor muito agradável ao vinho. Amarelo-palha, límpido, ainda guardando toques esverdeados apesar dos anos de garrafa. No nariz vivo, aromas de ervas verdes, toques cítricos e por final notas florais e de frutas cítricas. Não muito intenso.

Na boca primeiro ataque com boa acidez, já mostrando sinais de cansaço pelos 4 anos de garrafa mas ainda confirmando o nariz com boas notas cítricas. Final de boca agradável não muito longo. Nas safras mais novas deve-se mostra muito interessante. Pelo custo vale a degustação sem sombra de dúvidas.

Ironstone Cabernet Franc 2010. Kautz Familiy – Lodi Appellation / 13,5%. Importado por Casa Flora / Porto a Porto

Apesar de os vinhos Ironstone da Família Kautz não serem muito conhecidos em nosso mercado estão entre os 10 maiores produtores dos EUA e entre os mais conhecidos. Seus vinhos estão em praticamente 50 estados americanos. Nesta degustação escolhemos três rótulos seus.

Este Cabernet Franc é interessantíssimo, para aqueles que gostam desta casta. Já na cor mostra uma identidade incrível com suas cores violáceas marcantes, no nariz notas herbáceas, não pimentão verde tão normal em muitos Francs, mas grama cortada e ervas colhidas. Também os aromas de frutas negras, amoras e mirtillos aparecem de forma bem marcante.

Na boca a  assinatura da franc brilha, incrível taninos verdosos com uma acidez típica bem marcada, não é um vinho para todos, mas aqueles fãs de frescor, vivacidade, vinhos gastronômicos devem conhecer este Cabernet Franc. Apresentou também toques de especiarias, tabaco. Final de boca curto mas muito agradável. Foi um dos tintos que causou mais controvérsia no grupo, mas os melhores vinhos não são assim¿ Outro custo / qualidade  a ser conhecido.

 

Marimar Estate 2003 – Don Miguel Vineyard Pinot Noir – Russian River Valley. Torres Family Vineyards. Importado por distribuidora brasileira de vinhos – Rj

Uma surpresa de nosso confrade H Lee, chegou com a garrafa embrulhada em alumínio e pediu que degustássemos as cegas. Num primeiro momento, ainda frio demais, tivemos uma certa dificuldade, mas após alguns minutos aerando na taça seus aromas fummés e de frutas vermelhas não enganavam mais, só poderia ser um lindo PInot Noir. E que Pinot interessante, apesar de seus quase 10 anos de garrafa ainda sem mostrava vivo e brilhante. É verdade que na boca se  mostrou um pouco cansado mas uma belíssima surpresa. Gostaria de conhecer este vinho alguns anos mais jovem.

Sequana Sarmento Vineyard Pinot Noir 2008 – Santa Lucia Highlands – 14,7% álcool. Importado pela Decanter.

Uauuuuuuu, Time freeaze!! O que foi isto¿ Que Pinot descobrimos aqui¿  que maravilha, um Titão em corpo de sereia. Nariz maravilhoso, toques de cogumelos frescos, frutas vermelhas levemente cozidas, groselha, guaraná em pó. Segundo momento notas minerais entram em cena. Na boca roubou a cena, grande primeiro ataque, acidez crocante, seu álcool que num primeiro momento parecia que iria roubar a cena cria um balanço incrível, tornando este tinto ao mesmo tempo potente mas com  grande elegância.

Indo um pouco além, descobrimos que o vinhedo de Santa Lucia está localizado sobre um solo de origem aluvial, proveniente de uma antiga bancada de origem marítima. O responsável por esta obra de arte é o enólogo James MacPhail que já atua no projeto do produtor Hess, da Hess Family Estates.

Neste Pinot em especial James trabalha com leveduras selvagens em tanques abertos com o sistema de “pigeage” ao estilo dos Borgonhas. Esta safra que degustamos, 2008, ganhou nada menos do que 93 pontos na American Pinot Report e 91 pontos na Wine Enthusiast.

Realmete para quem gosta de um bom Pinot e está disposto a investir um pouco mais vale a pena conhecer este caldo.

Artezin Zinfandel – Mendocino County 2009 – 14,5% álcool. Importado por Decanter.

Não é fácil encontrar grandes vinhos da casta Zinfandel, ou são caros ou não chegam a impressionar, este tinto vem de um projeto pessoal do enólogo Randle Johnson, que também atua na Hess Familiy. Na verdade este vinho é um corte de Zinfandel, Petit Syrah e Carignan.

No nariz estava belíssimo, uma biblioteca de aromas, inciou com notas de ervas frescas, alecrim fresco, toques de pimenta-preta moída na hora. Segundo momento abre-se aromas de castanhas e nozes cozidas, nota-se a passagem por carvalho mas muito bem integrado.

Sua boca ficou um pouco atrás do nariz, taninos ainda nervosos, necessitam um pouco mais de garrafa para serem domados. Um belo corpo, grande volume de boca com um final de média persistência. Um ótimo Zinfandel, mas não chegou a para o trânsito.

Hess Collection Cabernet Sauvignon  2006 – Mount Veeder – Napa Valley – 14,4% álcool. Estate Grown – Importado por Decanter

Bem, como não poderia deixar de acontecer, chegamos ao primeiro tinto ao estilo Parker. Algumas palavras podem descrever este vinho. Potência, estrutura, carvalho ao máximo. Como todo vinho com esta característica não podemos dizer que não impressiona num primeiro momento, na boca tem um corpo muito potente com seu álcool roubando um pouco a cena sobre a acidez. Mas muito macio e aconchegante. Acho que pela linha de vinhos que vínhamos degustando acabou destoando um pouco.

Ironstone Reserve Old Vine Zinfandel 2008 – Lodi Appellation – Califórnia – 15% álcool. Importado por Casa Flora / Porto a Porto.

Bem, falando em grandes vinhos Zinfandel, acabei tendo de me curvar para este, impressionante a elegância deste tinto, para mim, na boca, foi o vinho que roubou a cena da noite.

No nariz iniciou levemente discreto, com notas evoluídas de couro, terra, cassis, muito elegante, na boca é onde mostra-se com exuberância, primeiro ataque fácil, discreto, mas logo sua acidez entra em cena mostrando uma vivacidade impressionante, em seguida seus taninos aparecem, domados, macios, no ponto para pedir um segundo gole. E a permanência¿ Incrível, simplesmente não ia embora, podia sentir o retrogosto quase 5 minutos depois de engoli-lo. Este é um daqueles vinhos que quero ter sempre alguns exemplares em casa. Graças a deus foi a opinião de quase todo o grupo.

Ironstone Reserve 2006 Meritage – Sierra Foothills – 14,5% álcool. Importado por Casa Flora / Porto a Porto.

Fechamos a casa com chave de ouro. Para um vinho americano ser chamado de Meritage deve, primeiro, apresentar um corte ao estilo Bordalês, Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc e, em segundo lugar, ser o TOP da casa. Sem sombra de duvidas este é o TOP da Kautz Familly.

Na análise olfativa aromas mentolados, cacau, manteiga cozida e côco queimado, muito franco, sem arestas e com grande potência. Na boca sem dúvidas um tinto fora da expectativa, inicia discreto mas abre-se de forma espetacular. Seu carvalho perfeitamente integrado com a fruta e álcool, acidez no ponto com taninos saborosos e marcantes. Final de boca muito longo e agradável.

Nota-se que a Vinícola esmerou-se para ter a prata da casa acima de qualquer suspeita. Os freaks agradecem.

E todos os vinhos acompanhados do menu elaborado pelo chef Guilherme no quintal de sua casa. Que noite!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 

Tags: , , , , , , , , , , , ,

  •  
    %d blogueiros gostam disto: