RSS

Arquivo da tag: Bodega la Azul

A saga dos Winefreaks na Argentina chega ao seu final…reflexões, números, curiosidades e as previsões para as próximas aventuras em 2012.

Após 5650 km de estradas percorridas no Brasil e na Argentina, com um consumo de aproximadamente 570 litros de óleo diesel, duas correias trocadas e alguns percalços com a extremamente corrupta polícia rodoviária argentina, poderíamos dizer que a viagem foi um tanto exaustiva, um pouco arriscada e, algumas vezes, até uma provação. Mas isso só teria valor se desconsiderássemos a impressionante marca de 111 amostras diferentes de vinhos incríveis que degustamos na Bodega Alfredo Roca em San Rafael, na Salentein e Bodega La Azul em Tupungato, na Viña Las Perdices, Finca La Anita, Bodega Barberis, Bodega Carinae, Nieto Senetiner e Serrera Vinos em Mendoza, além das dezenas de outras garrafas consumidas na companhia de pratos incríveis dos mais de 20 restaurantes que experimentamos ao logo do trajeto.

Na cava de vinhos antigos da Nieto Senetiner...eles não sabiam o risco que estavam correndo!!!

A miríade de aromas e sabores, temperada pelo terroir argentino, com suas nuances de clima, altitude, solos, técnicas de vinificação e, sobretudo, de pessoas e da alma mendocina se apresentaram em uma experiência única e inesquecível.

Hospedamo-nos em pousadas luxuosas e hospedarias de beira de estrada, em hotéis econômicos e em redes internacionais, sendo 1 noite em Santa-Fé, 2 noites em San Rafael, 1 noite em Tupungato, 7 noites em Mendoza, 1 noite em Federal e 1 noite em Livramento.

Além dos vinhos, incríveis paisagens naturais e construtivas como a visão dos pampas argentinos, a travessia pelo túnel que cruza o Rio Paraná com quase 3 quilômetros de extensão e mais de 30 metros abaixo do fundo do rio, as estradas com retas quase infinitas acompanhadas de desertos imensos de ambos os lados, e do Parque Provincial Aconcágua, base da montanha mais alta das Américas: o Aconcágua também abrilhantaram o roteiro.

Foram 13 dias descobrindo na prática aquilo que dizia em latim, o filósofo Gaius Plinius Secundus na mensagem “In vino veritas” numa das primeiras tentando de traduzir o abstrato sensorial para a ótica da poesia.  “No vinho, a verdade”.

Composto de humor líquido e luz, o bom vinho é um camarada bondoso e de confiança, quando tomado com sabedoria. Merecido nas vitórias e necessário nas derrotas é composto de líquido e luz, dando palavra aos pensamentos e alegrando o coração do homem. E, sem sombra de dúvida, o vinho é o melhor lugar para se encontrar amigos.

Galileu, Shakespeare, Napoleão, Goethe, Samuel Johnson e Arruda certamente concordarão conosco.

Os Winefreaks prontos pra próxima aventura!!!

Cristiano Ribeiro, Enzo Arns, Jonas Lunkes, Leandro Sperry e Isac Azevedo são os Winefreaks. A viagem foi apoiada pelas seguintes empresas: Prefeitura Municipal de Canela, Brocker Turismo, Guimarães- Griffe em Imóveis, Super Carros, Harley Motors Show, Museu de Cera, Hollywood, Auxiliadora Predial – Casa da Serra, Santé Atividade Corporal, Ecoparque Sperry, Restaurante Bergamota, Agência Viajar Melhor e Mercadores de Vinhos. O Jornal Integração e a Revista Gramado cobriram a viagem com exclusividade.

E no mês que vem acompanhem os Winefreaks em uma nova viagem, agora na Serra Catarinense. Para saber tudo sobre a viagem, com fotos e informações detalhadas e ainda receber dicas e conferir as análises detalhadas de cada um dos 111 vinhos degustados, acesse www.winefreaks.com.br.

 
2 Comentários

Publicado por em 1 de março de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos winefreaks – Tunduque!!!!

Tudo começou em uma conversa despretenciosa na Pousada Salentein em que recebemos uma dica valiosa, uma pequena bodega localizada a poucos quilômetros de distância, com uma produção reduzida, comandada pelo proprietário e dois enólogos em uma pequena garagem de vinificação mais ou menos do tamanho da sala de degustação da Salentein.

Azul – Este é o nome da vinícola. Um pequeno empreendimento que passa despercebido aos olhos desavisados dos viajantes. Estacionamos a van no pátio e batemos a porta de ferro onde parecia estar a cantina de produção de vinhos e, em poucos segundos apareceu um rapaz muito simpático chamado Luiz – um dos enólogos da casa. Nos pediu para aguardar alguns minutos pois estava terminando uma degustação com um casal de americanos. Sentamos num lounge externo para aguardar. Confesso que a espera foi bem agradável, com um sol intenso, a galera em uma ótima vibração e muito verde ao redor.

A cantina parecia bem simples, mas era exatamente o que a gente esperava...uma garagem pra chamar de nossa!!!

Uma pausa pra esperar os vinhos que estavam por vir...

Quando entramos no prédio ficamos impressionados com a simplicidade do lugar, algumas poucas tinas de inox e algumas barricas de carvalho frances novas do outro lado da garagem. Uma prensa manual se encontrava no canto nos dizendo que tínhamos chegado ao local certo.

Logo que entramos Luiz já nos chamou para perto de uma mesa de degustação com algumas garrafas de vinhos abertas e começou a falar um pouco do empreendimento. Realmente é uma bodega familiar pequena com uma produção limitada, são apenas vinhos tintos dentro de três linhas, os varietais, reservas e gran reservas. As castas utilizadas são a Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah e nada mais.

Luiz e uma de suas obras...nossos agradecimentos pela oportunidade pibe!!!

Somente 40.000 garrafas produzidas por ano, 7 hectares plantados, toda produção vem de vinhedos próprios

Partimos para a degustação, inciamos com a linha varietal, os vinhos de entrada, provamos o Malbec e o Cabernet Sauvignon, vinhos honestíssimos, fáceis de se beber, sem passagem por carvalho com média estrutura e corpo. Excelentes propostas para um vinho de almoço ou para acompanhar um prato mais leve. O preço mais do que justo, 40 pesos argentinos, cerca de R$ 20,00.

Na sequencia provamos o Azul Reserva safra 2008 / 85% Malbec – 15% Cabernet Sauvignon. Aqui tivemos nossa primeira grata surpresa, com um nariz interessantíssimo, elegante, num primeiro momento aromas típicos da malbec com ameixas negras e arándanos, toques florais, num segundo momento toques herbáceos da Cabernet. Na boca um vinho com alma, com a assinatura de seu enólogo, excelente equilíbrio, seus 15 meses de carvalho apenas engrandecem a obra. Ficamos muito satisfeitos com este corte. Preço: 75 pesos argentinos, R$ 35,00.

Partimos para a degustação do TOP da casa, Azul Gran Reserva safra 2007 – 50% Malbec / 50% Cabernet Sauvignon com 24 meses em barricas francesas novas. Estranhamos um pouco pois a garrafa estava ainda fechada sobre o balcão, um vinho como este deveria pedir uma aeração prévia, mas enfim, éramos convidados… Então veio a grande surpresa, Luiz puxou uma pipeta e nos ofereceu uma amostra de tanque para degustar! Dá para acreditar? Quantas bodegas ainda oferecem amostras de tanque para um grupo de desconhecidos? O vinho que nos ofereceu ainda nao estava finalizado, estava com 15 meses de caravalho, ainda ficaria outros 9 meses em afinamento até vir para o mercado.

Esse realmente foi Freak!!!!

Luiz nos pediu para degustar aquela amostra e imaginar o potencial do vinho algum tempo a frente. Bem, o que provamos fez o tempo parar. Nas palavras dos winefreaks este foi um verdadeiro “time freeze”. Grande tinto, negro na taça, quase sangue, no nariz aromas levemente reduzidos mas que logo se abriram para toques de couro, especiarias, alcaçuz, final mentolado. Muito, muito elegante. Na boca um monstro, primeiro ataque lembrava quase um licoroso mas logo sua acidez e frescor entram em cena para contra balançar. Final de boca muito agradável e absurdamente longo, ficamos todos de queixo caído. Bem, fomos obrigados a trazer algumas garrafas para ver como estara este caldo depois dos 9 meses de carvalho que lhe faltavam.

A galera freak em recuperação após o time freeze!!!!

Depois da degustação partimos para o almoço no restobar que existe dentro da Bodega, um restaurante comandado pela família. O proprietário Alejandro Fadel e seu familiar Paulo nos serviram um menu degustação de 5 pratos incríveis. Iniciamos com alguns pães caseiros e uma pasta de beringela defumada perfeita.

Que tal o Restobar?

A primeira entrada foi um creme de cebolas com batatas e manteiga com um toque de cebolas roxas caramelizadas.

Segunda entrada uma composição de uma fritada de ovos caseiros com temperos verdes e uma brusqueta com presunto parma cru e parmesão.

Terceira entrada empanadas. Entrañas de vacuno cortadas com el cutillo e um triângulo de cerdo (porco) e pasta de pimenta.

O prato principal consistiu de um ollo de lomo (entrecot) preparado no ponto jugoso, perfeito,  com um toque de chimichurri acompanhado de uma salsa de abacate e vinagrete com papas, berinjela e abobrinhas grelhadas.

Para finalizar esta maratona duas sobremesas, uma mousse de chocolate servida sobre um creme de pêssego e uma sobremesa chamada Vijlante, membrillo (marmelo) servido com queijo e uma calda de amoras com nozes.

Quando já tínhamos finalizado nosso almoço e estávamos pagando a conta,  satisfeitíssimos,  passou correndo perto da janela uma espécie de porquinho da índia, ou Preá como conhecemos, logo que Paulo o avistou apontou e gritou, mirem, un TUNDUQUE!!

Que dia…Ficam nossos agradecimentos à todos da bodega e do restobar!!!

Pessoal do Resto recebendo nosso kit de promoção da região das hortênsias...Canela e Gramado devidamente promovidos na terra dos vinhos da Argentina.

Valeu…

 
2 Comentários

Publicado por em 31 de janeiro de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  •  
    %d blogueiros gostam disto: