RSS

Arquivo da tag: Finca La Anita

Os Winefreaks elegem os melhores vinhos da viagem à Argentina – Parte 4 – Tintos de outras cepas

Além dos tintos da uva Malbec e dos tintos de Corte, resolvemos analisar também os tintos varietais de outras castas…Bonarda, Merlot, Syrah, Pinot Noir, e muitas outras nos mostraram que não só na Malbec residem vinhos incríveis em Mendoza. Aproveitem nossa seleção:

  • Vinhos de Entrada (vinhos de baixo custo, de consumo imediato)

    1. Serrera Reserva Bonarda (4 votos)

    2. Luna Syrah

 Serrera Reserva Bonarda 2008. Quando nos falava sobre esse vinho, Hernán frizou que foi uma excelente safra em Tupungato, origem desta Bonarda, um ano com muita concentração de cor e aromas. As uvas deste vinho são provenientes de vinhas com mais de 40 anos de idade. Levamos o tinto ao nariz. Uau!! O que foi isto? Que belíssimo bouquet, concentrado, pimenta negra, cravo, notas mentoladas, final levemente herbáceo, elegantíssimo, não muito potente mas com uma persistência incrível. Na boca só melhorou, a rusticidade da Bonarda, quase mastigável já pedia um entrecot jugoso para acompanhar, que tinto maravilhoso, foi eleito naquele momento o Bonarda da semana!

Hernán com os Winefreaks...viva a Bonarda!!!

  • Amostra de Tanque:

    1. La Anita Merlot

    2. Las Perdices Pinot Noir

    3. La Anita Syrah

5ª Amostra. Merlot 2011. Incrível este tinto, um dos aromas mais enigmáticos das amostras, segundo Sebastian, esta amostra vem se transformando semana após semana. No aroma toques de especiarias, marmelo, couro, terra, não muito intenso. Na boca, um merlot típico, acidez e taninos macios e com uma estrutura mediana, promete ser um vinho muito elegante.

  • Vinhos Premium:

    1. Carinae Gran Syrah (5 votos)

 

Carinae Gran Reserva Syrah 2008. Mesma crianza do Gran Malbec. Que tinto grandioso, um titã, muito complexo, tanto no nariz como na boca apresenta aromas levemente licorosos. Primeiro ataque na boca vigoroso mas evolui para um equilíbrio incrível, no final de boca todas as suas percepções se mesclam trazendo uma percepção de uma obra de arte bem acabada. Um grandíssimo Syrah….”Time Freeze” em todos os freaks que ainda sobreviviam!!!!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16 de março de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Os Winefreaks elegem os melhores vinhos da viagem à Argentina – Parte 3 – Vinhos Brancos

Nem só os Malbec e os vinhos tintos fazem bonito em Mendoza. Nesse post elencaremos os melhores brancos segundo a avaliação dos Winefreaks (Cristiano Ribeiro, Enzo Arns, Isac Azevedo, Leandro Sperry e Jonas Lunkes). Aproveitem:

  • Vinhos de Entrada (vinhos de baixo custo, de consumo imediato):

      1. Alfredo Roca Chardonnay Dedicacion Personal 2010 (4 votos)

      2. Cuarto de Milla Branco 2011

Alfredo Roca Chardonnay Dedicacion Personal safra 2010. Lindo, amarelo palha com toques dourados já mostrando sua breve passagem por roble americano. Frutas brancas, banana, pêssego, damascos secos, creme de baunilha. Primeiro momento o carvalho ainda estava saliente demais mas após alguns minutos de aeração seus aromas primários vieram a tona. Lindo. Na boca só melhorou, grande untuosidade mas muito bem balanceada com sua veia ácida, volumoso, rico, grande final de boca. Este deve ser degustado por todos que admiram um belo branco.

  • Melhor Custo x Benefício:

      1. Serrera Torrontés (2 votos)

      2. Finca La Daniela Chardonnay (2 votos)

      3. Alfredo Roca Tocai

 Serrera Torrontes 2010. Sem dúvidas um dos melhores Torrontes degustados na viagem, da variedade Torrontes Riojano, a idéia segundo Hernán era buscar um vinho não muito intenso, como alguns Torrontes que chegam a ser enjoativos, mas com uma boa carga aromática. Realmente estava muito bom no nariz, não muito explosivo, toques florais e frutas brancas e tropicais. Na boca redondo, elegante, sutil, uma discrição acima da média quando falamos de um torrontes. Excelente.

Finca la Daniela Chardonnay 2011. Particularmente somos fãs da linha la Daniela, são vinhos que se posicionam em uma faixa intermediária / alta de qualidade mas com preços justíssimos, para se ter uma idéia, no Brasil são vendidos na faixa dos R$ 35. Outra coisa que admiramos muito neste rótulo é sua franqueza na tipicidade das castas, Mônica, a enóloga, jamais peca pelo exagero de carvalho ou maceração, são vinhos ao estilo do Velho Mundo, excelentes. Este Chardonnay estava especial, ótimo nariz, boa intensidade, notas de maçã, abacaxi, frutas tropicais e um toque de manteiga, apesar de não ter passagem por carvalho. Na boca excelente primeiro ataque com boa força mas sem exageros, final de boca muito agradável.

  1.  Vinhos Premium:

      1. Las Perdices Sauvignon Fummé (3 votos)

      2. Finca La Anita Chadonnay

      3. Don Nicanor Chardonnay/Viognier

 Las Perdices Sauvignon Blanc Fummé 2010. Quando pensávamos que mais nada poderia melhorar Carlos nos surpreendeu novamente, nos fez degustar um Sauvignon Blanc com passagem  e fermentação em barricas de carvalho. Se no Sauvignon Blanc varietal faltava um pouco de estrutura neste sobrava. A integração entre fruta e madeira é impressionante, normalmente não gosto do Sauvignon Blanc com carvalho mas me curvei para este. E foi a opinião geral do grupo. Perfeito. Pena que ainda não está no Brasil.

 
1 comentário

Publicado por em 15 de março de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos Winefreaks na Argentina chega ao seu final…reflexões, números, curiosidades e as previsões para as próximas aventuras em 2012.

Após 5650 km de estradas percorridas no Brasil e na Argentina, com um consumo de aproximadamente 570 litros de óleo diesel, duas correias trocadas e alguns percalços com a extremamente corrupta polícia rodoviária argentina, poderíamos dizer que a viagem foi um tanto exaustiva, um pouco arriscada e, algumas vezes, até uma provação. Mas isso só teria valor se desconsiderássemos a impressionante marca de 111 amostras diferentes de vinhos incríveis que degustamos na Bodega Alfredo Roca em San Rafael, na Salentein e Bodega La Azul em Tupungato, na Viña Las Perdices, Finca La Anita, Bodega Barberis, Bodega Carinae, Nieto Senetiner e Serrera Vinos em Mendoza, além das dezenas de outras garrafas consumidas na companhia de pratos incríveis dos mais de 20 restaurantes que experimentamos ao logo do trajeto.

Na cava de vinhos antigos da Nieto Senetiner...eles não sabiam o risco que estavam correndo!!!

A miríade de aromas e sabores, temperada pelo terroir argentino, com suas nuances de clima, altitude, solos, técnicas de vinificação e, sobretudo, de pessoas e da alma mendocina se apresentaram em uma experiência única e inesquecível.

Hospedamo-nos em pousadas luxuosas e hospedarias de beira de estrada, em hotéis econômicos e em redes internacionais, sendo 1 noite em Santa-Fé, 2 noites em San Rafael, 1 noite em Tupungato, 7 noites em Mendoza, 1 noite em Federal e 1 noite em Livramento.

Além dos vinhos, incríveis paisagens naturais e construtivas como a visão dos pampas argentinos, a travessia pelo túnel que cruza o Rio Paraná com quase 3 quilômetros de extensão e mais de 30 metros abaixo do fundo do rio, as estradas com retas quase infinitas acompanhadas de desertos imensos de ambos os lados, e do Parque Provincial Aconcágua, base da montanha mais alta das Américas: o Aconcágua também abrilhantaram o roteiro.

Foram 13 dias descobrindo na prática aquilo que dizia em latim, o filósofo Gaius Plinius Secundus na mensagem “In vino veritas” numa das primeiras tentando de traduzir o abstrato sensorial para a ótica da poesia.  “No vinho, a verdade”.

Composto de humor líquido e luz, o bom vinho é um camarada bondoso e de confiança, quando tomado com sabedoria. Merecido nas vitórias e necessário nas derrotas é composto de líquido e luz, dando palavra aos pensamentos e alegrando o coração do homem. E, sem sombra de dúvida, o vinho é o melhor lugar para se encontrar amigos.

Galileu, Shakespeare, Napoleão, Goethe, Samuel Johnson e Arruda certamente concordarão conosco.

Os Winefreaks prontos pra próxima aventura!!!

Cristiano Ribeiro, Enzo Arns, Jonas Lunkes, Leandro Sperry e Isac Azevedo são os Winefreaks. A viagem foi apoiada pelas seguintes empresas: Prefeitura Municipal de Canela, Brocker Turismo, Guimarães- Griffe em Imóveis, Super Carros, Harley Motors Show, Museu de Cera, Hollywood, Auxiliadora Predial – Casa da Serra, Santé Atividade Corporal, Ecoparque Sperry, Restaurante Bergamota, Agência Viajar Melhor e Mercadores de Vinhos. O Jornal Integração e a Revista Gramado cobriram a viagem com exclusividade.

E no mês que vem acompanhem os Winefreaks em uma nova viagem, agora na Serra Catarinense. Para saber tudo sobre a viagem, com fotos e informações detalhadas e ainda receber dicas e conferir as análises detalhadas de cada um dos 111 vinhos degustados, acesse www.winefreaks.com.br.

 
2 Comentários

Publicado por em 1 de março de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos Winefreaks – Finca la Anita – Uma preciosidade

Nossa próxima visita foi a uma pequena bodega localizada na região de Agrelo ao pé da Cordilheira dos Andes, uma pequena preciosidade comandada por Manuel Más, um empresário extremamente preocupado com a qualidade dos vinhos que saem de sua vinícola. A Finca La Anita.

A Finca La Anita nos esperava de portas abertas!!!

A finca possui 70.000 hectares onde 62.000 possuem vinhas cultivadas, destes, uma pequena parte é direcionada para a produção da bodega, o restante é vendido a outras vinícolas da região. Hoje são apenas 200.000 litros produzidos anualmente.

Dois enólogos comandam o processo dentro da vinícola, Soledad Vargas e Sebastian della Fazia. A produção média fica em 6000 a 8000 litros por hectare. Todo processo de irrigação acontece por gravidade com água do degelo e não trabalham com sistema de gotejamento como muitas vinícolas.

Sebastian nos recebe em meio aos vinhedos da Bodega.

Os vinhedos são explorados com casta brancas que incluem Tocai, Sauvignon Blanc, Semillion e Chardonnay e nas tintas, Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Petit Verdot, Malbec. Algumas vinhas de Syrah e Tocai podem chegar aos 60 anos de idade.

Vinhas antigas, manejo artesanal, baixa produção e irrigação por sulco...alguns dos segredos da qualidade dos vinhos da Bodega La Anita

A partir do ano passado a bodega passou a receber acessoria da enóloga Suzana Balbo, especialmente nos vinhos de corte trazendo ainda mais qualidade aos vinhos finais.

Na entrada da Bodega existe uma coleção pessoal de arte do proprietário Manuel Más de procedência do artista Lorenzo Domingues com peças lindas. A sala de barricas possui 60 unidades divididas em francesas, americanas e búlgaras.

Uma visão do salão que abriga uma mostra de arte, além de uma agradável sala de degustação.

Passamos por uma degustação de amostras de tinas de inox e, posteriormente, vinhos finalizados que devo dizer que apresentaram uma qualidade acima da média, realmente foram poucas as bodegas que conseguiram chegar neste nível de vinhos brancos e tintos. Passamos abaixo algumas de nossas avaliações.

Todas as amostras degustadas de tinas de inox descritas abaixo são da safra 2011, ainda não engarrafada, sem passagem por carvalho. Parte do vinho de cada uma destas amostras estão afinando nas pipas de caravalho esperando pelo corte com estas a amostras das tinas, ou seja, os vinhos ainda irão crescer muito, estávamos degustando vinhos não acabados.

A Finca la Anita possui algumas linhas de vinhos que se dividem na seguinte ordem: Cuarto de Milla / Luna / Finca la Anita / Finca / Varúa.

1ª Amostra. Petit Verdot 2011. Uma fera enjaulada, opulento, fechado, negro na taça, aromas animais ainda reduzidos, leve toques herbáceos. Na boca um monstro, taninos nervosos e duros, grande acidez, precisará mais um bom tempo de afinamento, promete ser um grande vinho dentro de alguns anos. Um tinto a ser observado.

2ª Amostra. Cabernet Sauvignon 2011. Destinado a linha Finca la Anita, bem estruturado, no nariz aromas típicos de pimentões verdes, especiarias, intenso. Na boca já apresentou um belo equilíbrio, com taninos domados e boa acidez.

3ª Amostra. Malbec 2011. Violáceo-azulado, muito fechado, no nariz notas de frutas negras cozidas, especiarias, café. Na boca grande corpo, taninos macios da malbec com uma acidez muitíssimo interessante. Está em franco crescimento, com certeza promete ser um grande malbec em alguns anos.

4ª Amostra. Syrah 2011. Esta casta é a menina dos olhos desta bodega, ano após ano a Syrah tem se mostrado muito consistente produzindo excelentes tintos de La Anita. Na minha opinião foi a melhor amostra degustada, fechadíssimo no visual, aromas marcantes de couro, cacau, mirtillos , potente no aromas mas elegantíssimo. Na boca perfeito, taninos nervosos mas bem trabalhados, final de boca bem marcado e muito longo, promete ser um grande caldo depois de um pequeno corte com  sua parcela no carvalho.

5ª Amostra. Merlot 2011. Incrível este tinto, um dos aromas mais enigmáticos das amostras, segundo Sebastian, esta amostra vem se transformando semana após semana. No aroma toques de especiarias, marmelo, couro, terra, não muito intenso. Na boca, um merlot típico, acidez e taninos macios e com uma estrutura mediana, promete ser um vinho muito elegante.

Terminando a degustação das amostras, passamos a sala de degustação para provarmos os vinhos engarrafados para comparações e análises.

1º Vinho. Finca la Anita Tocai 2010 – 13,3% – 6756 garrafas produzidas.

Cor amarelo palha com aromas discretos, apresentando toques florais, chocolate branco e marmelada, muito sutil, é um branco que impressiona no nariz. Na boca excelente, acidez no ponto, refrescante, com grande intensidade de sabores, um daqueles vinhos que inicia sutil e abre-se para grande potência. Excelente.

2º Vinho. Finca la Anita Chardonnay 2011 – 14%.

Que vinho maravilhoso, conquistou todo o grupo sem exceções, um clássico. Seus aromas untuosos, amanteigados mesclam-se perfeitamente com toques de cacau e maça verde. Na boca muita estrutura, potente mas com uma bela acidez. Um chardonnay a ser degustado.

3º Vinho. Finca la Anita Petit Verdot Rosado 2011 – 13,80%

Um rose de Petit Verdot com quase 14% de álcool já não me impressiona na partida. Uma uva tintória de grande estrutura por si só já tende a resultar em um vinho chato e foi mais ou menos o que vimos. Um rose de coloração cereja escuro, seu nariz estava fechado com notas de frutas vermelhas, morango. Na boca discreto faltando certa vivacidade, um bom rose mas nada extraodinário.

4º Vinho. Cuarto de Milla Branco 2011.

Este vinho de entrada da Finca é um corte Cardonnay / Semillion / Tocai. Mostrou-se uma excelente relação custo / qualidade, no nariz muito franco com aromas de frutas brancas e na boca um primeiro ataque potente, mostrando uma chardonnay bem maturada com excelente equilíbrio. Um vinho que custa na casa dos 20 pesos argentinos está muito bem.

5º Vinho. Luna Syrah 2011 – 15%

Como nas amostras de tanque o Syrah continua mostrando-se como um grande tinto desta bodega, este da linha intermediária estava muito bom, aromas de especiarias, cravo da índia, pimenta preta e couro apresentou-se com uma boca equilíbradíssima, potente, com ótimo volume de boca e um final muito elegante. Um belíssimo Syrah.

6º Vinho. Luna Malbec 2011 – 14,3%

Belíssimo Malbec, ameixas negras, mentolado, geléia de frutos vermelhos foram seus aromas, na boca ótimo, macio, redondo, taninos domados, excelente final, um grande achado desta linha Luna.

7º Vinho. Finca la Anita Malbec / Merlot – 14%

Neste corte não safrado de diferentes parcelas de Malbec e Merlot foram produzidas somente 10.066 garrafas. Nos impressionou muito. Aromas mentolados, couro, cassis, geléia. Na boca uma bela sinegia entre as duas castas, a maciez da Merlot estava em perfeito ajuste com a potência da malbec, um tinto que inicia discreto e vai crescendo. Recomendamos muito.

8º Vinho. Varúa Malbec 2008 Linea Pinacoteca. 14,3%

Obras de pintores Mendocinos ilustram seus rótulos, a cada safra as obras mudam. São produzidas somente 1500 garrafas em cada safra desta linha. Um vinho especial, de autor, só é produzido nas grandes safras, sem duvidas um ícone.

Um grande tinto para se avaliar, no momento da degustação apresentou aromas complexos de especiarias, pequenas notas licorosas, aromas terrosos, frutas vermelhas cozidas e morangos secos. Na boca perfeito equilíbrio, como no nariz, inicias com notas levemente licorosas, mostrando uma fruta bem madura, mas com taninos e acidez no ponto para contrabalançar. Muito volumoso com um final de boca elegantíssimo. Um grande vinho que apesar de caro deve fazer parte de qualquer boa adega.

Amanhã falaremos um pouco de nossa próxima visita na Bodega Barberis.

Grande abraço

 
 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Ranking da Argentina – Os Melhores Brancos, segundo o Guia Descorchados 2011

91 pontos – Catena Alta Chardonnay 2007

91 pontos – Luigi Bosca Los Nobles Chardonnay 2008

91 pontos –  Lucca Chardonnay 2007

91 pontos – Gala 3 2009

90 pontos – Lindaflor Chardonnay 2009

90 pontos – Lágrima Canela 2008

90 pontos – Gran Linaje Torrontés 2010

90 pontos – Tiara 2008

89 pontos – Catalpa Chardonnay 2009

89 pontos – Colomé Torrontés 2010

89 pontos – Del Fin del Mundo Viognier Reserva 2009

89 pontos – Terrazas Reserva Torrontés 2009

89 pontos – Series Naked Pulp Viognier  2009

89 pontos – Alma Negra Viognier 2008

89 pontos – Finca La Anita Semillon 2008

89 pontos – Quara Single Vineyard Torrontés 2009

89 pontos – Synthesis Sauvignon Blanc 2009

89 pontos – Gran Lurton Corte Friuliano/Pinot Gris/Chardonnay/Torrontés 2009

89 pontos – Quara Felix Torrontés 2010

89 pontos – Luigi Bosca Reserva Sauvignon Blanc 2010

89 pontos – Alegoria Gran Reserva Chardonnay 2009

89 pontos – Rutini Gewurztraminer 2009

89 pontos – Salentein Sauvignon Blanc 2010

 
Deixe um comentário

Publicado por em 24 de setembro de 2011 em Dicas

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  •  
    %d blogueiros gostam disto: