RSS

Arquivo da tag: Malbec

Nieto Senetiner. Uma grande pequena bodega.

Dando continuidade a nossa incrível rotina de visitas à vinícolas em Mendoza, chegamos ao último dia de degustações, com duas visitas ainda por ocorrer. Na parte da manhã fomos conhecer a Bodega Nieto Senetiner.  Com fundação datada de 1888, está localizada na região de Lujan de Cuyo, Vistalba. A Vinícola se desenvolveu por diferentes mãos familiares durante a primeira década do século passado. No ano de 1969 foi adquirida pela família Nieto Senetiner que amplia suas instalações dando início a uma nova etapa de crescimento e, em 1998, passa a formar parte do grupo de negócios agroalimentar Molinos de la Plata.

Passado...

...e Presente em perfeita harmonia na Nieto Senetiner.

Diferentemente das outras vinícolas que visitamos, a maior parte de sua produção fica no mercado interno, quase 65% do total. No mercado de exportação os principais mercados da Nieto são Brasil, EUA e Peru.

Os dois enólogos da Nieto são Roberto Gonzalez, responsável pelas linhas Premium, e Jorge Meleiro, responsável pelas grandes produções. Nesta planta que visitamos em Vistalba são vinificadas as linhas Premium Don Nicanor e Cadus. A Bodega trabalha com piletas de vinificação de concreto de 22 a 150 mil litros, num total de 65 unidades. A sala de barricas possui quase 700 unidades para a linha Cadus.

Dessa sala de barricas sai o afamado Cadus - onipresente ícone nas cartas de vinhos pelo Brasil.

Próximo à Bodega existem vinhas de Malbec que datam de 1916, (mais de cem anos!!!!) que ainda estão em plena produção e servem a linha Cadus. Também vimos alguns vinhedos em Parrais (latada) de Syrah com quase 60 anos de idade.

Vinhas de mais de 100 anos e...

...uma paisagem dessas de pano de fundo. Precisa de mais alguma coisa?

Fomos recepcionados na Nieto, para nossa surpresa, por um brasileiro: Marcelo Molina, de Goiânia, que já trabalha como sommelier na Bodega há quase 7 anos. Apesar de não termos tido nenhum problema com a língua espanhola nas outras visitas é sempre interessante ver esta preocupação da Vinícola em ter alguém falando português para recepcionar seus convidados.

E não é que o sommelier era Goiano??

Depois de um passeio pelas instalações da Nieto, que, apesar de ter uma linha ampla de rótulos e uma produção interessante, é uma vinícola pequena, com instalações modernas mas rústicas, um conceito muito interessante, partimos para uma degustação técnica. Marcelo já havia deixado a sala de degustação preparada com os vinhos previamente selecionados.

Que tal a seleção? Veja as impressões dos Winefreaks para cada um dos vinhos logo abaixo.

Nieto Senetiner Rose 2010. Uma proposta diferente, este é um Rose envelhecido em barricas de Acácia, um Rose bem elaborado com aromas florais e morangos frescos, média intensidade. Na boca confirma seu frescor, com uma acidez refrescante, um vinho para um final de tarde quente antes do jantar.

Don Nicanor Viognier / Chardonnay 2010. Lindo branco, aromas untuosos de baunilha e maçã com toques florais. Na boca esta untuosidade se faz presente com bom volume, um branco amplo mas com uma acidez muito gostosa. Um daqueles vinhos para se tomar com um belo prato ou sozinho.

Emília Nieto Senetiner Malbec 2011. Umas das linhas de entrada, este vinho ainda não está no mercado brasileiro, mas deve chegar em breve. A proposta da vinícola aqui é um vinho de entrada, fácil, sem carvalho e com muita fruta presente. Conseguiram. Um tinto leve mas muito agradável, aromas discretos mas francos de frutas vermelhas. Na boca rápido, muita fruta, acidez gostosa, um vinho para se tomar um pouco mais fresco na temperatura, tem tudo para fazer sucesso quando chegar por nossas bandas.

Nieto DOC Malbec 2010. Este tinto já está no Brasil e faz muito sucesso. A Nieto é uma das poucas Vinícolas argentinas que podem utilizar a denominação DOC ( Denominação de Origem Controlada) para seu Malbec, as outra três são: Norton, Luigi Bosca e Lagarde. Se voce encontrar vinhos DOC argentinos Malbec de outra Bodega desconfie!! Este é um belo tinto com 12 meses de carvalho francês, rubi na coloração, com aromas de frutas negras, compota, toques de chocolate. Na boca bela estrutura, com bom equilíbrio álcool / acidez. Final de boca marcante.

Don Nicanor Barrel Select Malbec 2009. Este é outro lançamento da Nieto que ainda não conhecíamos, passa 18 meses por roble francês. Que belo caldo, negro na taça, aromas complexos e marcantes, chocolate amargo, cacau tostado, especiarias. Na boca elegantíssimo, grande pegada. Seu carvalho em perfeito equilíbrio, final de boca muito longo. Para mim um dos melhores do dia.

Cadus Grand Vin 2008. 50% Malbec / 30% Cabernet Sauvignon / 20% Bonarda. Crianza de 12 meses em carvalho francês novo. Um tinto negro na taça, velado, nariz muito exótico, notas de frutas negras cozidas e tabaco, nota-se um aporte herbáceo da Cabernet e Bonarda, intenso e persistente. Após alguns minutos de aeração abrem-se aromas de especiarias. Na boca potente, apresenta uma certa adstringência de uma pimenta preta, mas muito agradável. Seu carvalho está muito bem trabalhado com um final de boca muito longo, taninos macios.

Após a degustação passamos para um almoço harmonizado com os mesmos vinhos da degustação. A Nieto possui um belo restaurante em suas instalações, com poucos lugares, 30, e atendem somente mediante reserva. Uma boa dica para quem for passar uns dias em Mendoza.

Os Winefreaks acompanhados dos mais antigos vinhos da casa...só um brazuca pra correr esse risco conosco!!!

Nossos agradecimentos pela recepção, cordialidade e profissionalismo de Marcelo que nos acompanhou pela visita. Os vinhos da Nieto podem ser encontrados no Brasil através da importadora Casa Flora / Porto a Porto.

 
5 Comentários

Publicado por em 15 de fevereiro de 2012 em Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Bodega CarinaE: Onde as estrelas são as pessoas, os vinhos são brilhantes!!!

Nosso Confrade Cristiano Ribeiro acaba de ganhar um concorrente à altura no que se refere a indicações brilhantes de bodegas em Mendoza. O Enólogo portenho José Eduardo Molteno, proprietário da Enoteca La Cava de Vittório que fica na Calle Arenales, 2321 em Buenos Aires www.lacavadevittorio.com.ar .

Seus contatos com os proprietários (além é claro, da indicação da compra do então desconhecido Carinae Finca Deneza em minha última visita à Capital Argentina), nos possibilitaram conhecer de uma forma muito especial a Bodega Boutique Carinae, localizada em Cruz de Piedra – Maipú.

Com um céu desses só podia ser um dia especial!!!

– ” Es una bodega muy pequeña que hace vinos artesanales en Mendoza, con un toque de Viejo Mundo”. Me recordei prontamente das palavras proferidas pelo Eduardo quando me indicou a garrafa do malbec 2010 que degustei com os confrades em um encontro com nossas esposas no restaurante Divino em Gramado. E quando estacionamos a van ao lado de uma pequena construção em Adobe pintada de amarelo e fomos recebidos pelo enorme sorriso de Brigitte Subra tive certeza de estávamos em um quadrante especial nessa constelação de bodegas argentinas.

Brigitte e sua simpatia...uma das marcas da Carinae.

Com um espanhol perfeito, carregado pelo indefectível sotaque francês, a proprietária da bodega nos pediu para aguardar alguns instantes para que pudesse nos acompanhar em uma visita pela propriedade, seguida pela degustação de seus vinhos. Rapidamente estávamos imersos num mundo de constelações e estrelas que guiaram o casal de franceses de Marseille (que segundo a própria não entendia absolutamente nada de vinhos) para o comando de uma vinícola na Argentina.

Após muitos anos de trabalho e, aproveitando uma política de downsizing com demissão premiada da empresa multinacional em que Philippe trabalhava, resolveram mudar completamente suas vidas adquirindo um vinhedo de cerca de 80 anos de idade com 11 hectares de malbec, cabernet sauvignon e syrah com uma cantina antiga de paredes de adobe em ruínas e algumas dezenas de pilhetas de concreto.

Passado e Presente em fotos reveladoras.

Segundo Brigitte, imediatamente visualizaram o prédio atual e, de forma a expressar a paixão pela astronomia do marido resolveram batizar a vinícola com o nome de uma constelação que acompanha por quase todo o ano a propriedade. Carina, a Quilha, é uma constelação do hemisfério celestial sul, vizinha do nosso conhecido cruzeiro do sul. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Carinae.

Nebulosa Carina...a inspiração do casal Subra para seus os vinhos.

Além do vinhedo principal, outros 4,5 hectares de Malbec de 88 anos de idade foi adquirido em seguida no distrito de Pedriel, Rua Cobos (Lujan de Cuyo). Esta vinícola tem uma capacidade modesta para os padrões mendocinos – 260.000 litros anuais, uma cava com 27.000 litros em barris de carvalho francês, aliando ao uso de equipamentos até certo ponto rústicos (como a prensa francesa do início do século XX à tecnologia e consultoria de profissionais como o renomado Michel Roland e sua equipe para elaborar vinhos de alta qualidade.

Winefreaks ansiosos pela degustação dos vinhos da Carinae. Na foto, da esquerda para a direita, Jonas, Cristiano, Enzo, Isac e Leandro (abaixado).

Após visitar as instalações e conhecer cada um dos processos e pessoas envolvidos, fomos direcionados à sala de degustação, agora acompanhados pelo Philippe

Com uma extensa gama de produtos, tendo a Malbec como grande estrela, a jovem Bodega empolgou os Winefreaks. Provamos TODOS os vinhos da empresa e vamos dar nossas impressões à partir de agora:

Carinae Rose Malbec 2011, 13%. Rose de coloração mais intensa, salmão para cereja, aromas intensos de frutas vermelhas, goiaba, na boca boa estrutura, um rose mais robusto, em nossa opinião estava um pouco pesado demais no visual e na boca, informação que Philippe acabou nos respondendo por ter deixado uma extração um pouco mais longa do que gostaria.

Carinae Torrontes 2011. Vinificado com a variedade torrontes Riojano plantada em Mendoza, típico, amarelo palha bem claro com aromas de frutas cítricas, florais e final remetendo a maracujá. Na boca ótima tipicidade, equilibrado, com um final de boca muito agradável, não foi um dos melhores torrontes que degustamos na trip, mas não decepcionou.

Carinae Malbec 2010. Este Malbec de entrada da Carinae já demonstra que esta Bodega especializou-se nos tintos. Esta proposta mais jovem sem passagem por carvalho apresentou no nariz lindos aromas de ameixas negras, frutas vermelhas, principalmente morangos. Na boca excelente equilíbrio, tinha volume de boca suficiente para sustentar sua acidez, final de boca longo e muito agradável. Iniciamos os trabalhos dos tintos com o pé direito.

Carinae Cuvée Brigitte 2009. 72% Malbec / 28% Cabernet Sauvignon. Este tinto potente com 14,5% álcool não chegou a ser pesado, lembrou um pouco o malbec de entrada mas com mais intensidade de nariz e volume de boca. Taninos ainda nervosos com uma acidez bem marcada, a Cabernet entrou em cena. Sem duvidas um vinho mais gastronômico. Bela proposta.

Octans 2009. 79% Malbec / 21% Syrah. Esta foi uma das amostras mais interessantes que degustamos, é um vinho que passa 100% por barricas de carvalho francês de 3º uso por 8 a 10 meses com o intuito de afiná-lo um pouco e não passar aromas do carvalho. É o vinho da casa, não está  a venda no mercado, pode-se encontrá-lo somente da Bodega. Um tinto de grande pegada, taninos extremamente marcantes, potência, com certeza necessita um pouco mais de tempo em garrafa. Aqui já notamos o trabalho que a Carinae vem fazendo com a cepa Syrah, coisas boas ainda nos aguardavam.

Carinae Reserva Malbec 2009. Este tinto é um corte de duas parcelas distintas de Malbec de vinhedos diferentes. Passa 100% por barricas de carvalho francês de 2º e 3º uso por 10 a 12 meses. Um tinto carnudo, amplo, aromas animais, couro, tabaco, especiarias. Na boca um primeiro ataque cheio, com ótima pegada, acidez viva e balanceada. Um excelente Malbec.

Carinae Malbec Finca Deneza 2009. Este Malbec utiliza uvas de um único vinhedo localizado em Luján de Cuyo, passa de 8 a 10 meses em barricas de carvalho francês de primeiro e segundo uso. Um belo tinto, ótimo nariz, notas cozidas, frutas vermelhas secas, na boca um pouco denso, tem um ótimo volume, mas gostariamos de um pouco mais de acidez para balançar o conjunto. Um tinto de estilo mais gastronômico.

Carinae Cabernet Sauvignon 2008 Reserva. Crianza de 8 a 10 meses em barricas francesas de 2º e 3º uso. Um cabernet de grande pegada, taninos nervosíssimos quase verdes, levemente adstringente, em nossa opinião precisa de mais um tempo de afinamento. Como Philippe já tem este vinho no mercado nossa sugestão é degustá-lo com um prato intenso e gorduroso para balançar esta veia ácida dura.

Carinae Reserva Syrah 2008. Mesma crianza dos vinhos anteriores. Aqui começou a ficar claro que a Syrah é uma das meninas de ouro da Carinae, intenso no nariz, toques animais, pimenta negra moída na hora, alcaçuz. Na boca um monstro, primeiro ataque com grande potência e força, taninos nervosos mas nesta caso domados, apesar do seu volume de boca não chega a ser pesado. Excelente tinto.

Carinae Gran Reserva Malbec 2008. Aqui passamos a outro tipo de crianza dos vinhos anteriores, este tinto passa 15 meses amadurecendo em barricas de carvalho de primeiro uso. É um Malbec proveniente de dois vinhedos distintos. Com base nos vinhos anteriores esperava um Malbec muito potente, receando que até demais, mas não, estava incrível, equilibradíssimo. No nariz os aromas francos da Malbec estavam presentes e na boca  grande equilíbrio e força. O primeiro “Freak” da degustação que, por mais incrível que pudesse parecer, ainda tinha muito pra mostrar!!!

Carinae Gran Reserva Syrah 2008. Mesma crianza do Gran Malbec. Que tinto grandioso, um titã, muito complexo, tanto no nariz como na boca apresenta aromas levemente licorosos. Primeiro ataque na boca vigoroso mas evolui para um equilíbrio incrível, no final de boca todas as suas percepções se mesclam trazendo uma percepção de uma obra de arte bem acabada. Um grandíssimo Syrah….”Time Freeze” em todos os freaks que ainda sobreviviam!!!!

Carinae Prestige 2008. Um tinto elaborado com 70% Malbec / 25% Cabernet / 5% Malbec. Crianza de 18 meses em barricas de carvalho Frances novas. Podemos dizer que fechamos a degustação dos tintos com chave de ouro, a crescente foi incrível, este Prestige no nariz inicia discreto mas com a aeração abre-se para lindos aromas de cassis, frutas vermelhas cozidas, toques mentolados. Na boca perfeito, não apresentou arestas, equilíbrio e força em sinergia. Final de boca longo e agradável. Foi talvez o melhor vinho degustado em toda a viagem. Mereceu o título de freak do dia!!!!

Passito de los Andes 2011. Para encerrar a degustação Philippe nos ofereceu um licoroso recém engarrafado.  Este passito foi vinificado ao estilo dos passito italianos onde parte das uvas são vinificadas normalmente e parte das uvas são secas ao sol para concentrar seus açúcares. Possui 15% de álcool e 80gr/l de açúcar residual. No nariz lindos aromas de damascos secos, laranja Kinkan e geléia de laranja. Na boca tem um primeiro ataque interessante mas nos pareceu um pouco ralo, leve para um licoroso, acreditamos que precisaria de um pouco mais de açúcar para torná-lo mais apetitoso.

Depois dessa impressionante degustação, fica a certeza de que acima do terroir, do clima e da tecnologia, as pessoas e o que se extrai de suas almas fazem toda a diferença quando se buscam vinhos realmente surpreendentes.

Ainda bem que não dá pra ver os dentes e os lábios roxos...dá-lhe tanino nessa galera!!!!

Obrigado  Philippe e Brigitte por tudo!!!!

 
2 Comentários

Publicado por em 13 de fevereiro de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Bodega Barberis – Uma recepção familiar.

Seguindo nossa agenda, a próxima visita era a uma vinícola chamada Bodega Barberis, referência ao nome da família. Barberis havia recém trocado de localização, seus proprietários venderam uma Bodega que possuíam em Vistalba em Luján de Cuyo e compraram uma antiga propriedade em Guaymallén. O bairro de Guaymallén  praticamente não possui mais vinícolas e vinhedos atualmente, antigamente foi um dos primeiros lugares a ter vinhas plantadas, com o tempo, o epicentro Vitivinicola foi migrando em direção a Lujan de Cuyo.

Fomos recepcionados por um dos proprietários, Adrian Barberis. A vinícola é comandada por seu pai Humberto Barberis, enólogo, e sua irmã Liliana Barberis, responsável pelo setor administrativo. Quando questionado sobre esta mudança para uma localização fora do centro de visitação turística, Adrian nos respondeu que neste momento sua preocupação está mais voltada para a qualidade de seus produtos, desta forma preferiram investir em um local de custo mais baixo e direcionar parte dos investimentos para sua tecnologia de vinificação. Muito justo.

Um pouquinho da estrutura e tecnologia da nova casa da Barberis.

Com estas novas instalações, a Bodega Barberis tem hoje uma capacidade total de produção de até 1.200,00 garrafas mas produz atualmente 400.000 garrafas. A enóloga chama-se Mônica e é quem coordena todo o processo já a alguns anos.  Sendo uma vinícola pequena notamos a grande preocupação pela qualidade dos vinhos finais, tanto que durante a visita quando perguntamos a Adrian qual seria seu melhor vinho ele respondeu: ” O próximo na próxima safra”. Sua busca pela melhora é incansável.

Adrian explica como fazer vinhos excepcionais.

O mix da Bodega Barberis se divide da seguinte forma no Brasil: Cava Negra é a linha de entrada, com produtos de excelente relação custo / qualidade, logo depois vem a linha Finca la Daniela, uma alusão ao nome da avó de Adrian, vinhos com uma breve passagem por carvalho mas mantendo sua fruta presente. O próximo nível chama-se Família Barberis, com uvas mais selecionadas e muito elegantes, subimos para a linha La Daniela Reserva e por fim o TOP da casa que se chama Humberto Barberis Gran Reserva.

A bela linha de vinhos da Barberis exposta pré degustação.

Depois de uma visita pelas instalações Adrian e Mônica nos levaram para uma antiga pileta de concreto que antigamente servia para a fermentação dos vinhos e que eles transformaram em uma cave de armazenamento e degustação, muito interessante pois a temperatura é sempre constante ali dentro. Já tinham preparado uma mesa para nossa degustação com os vinhos todos previamente selecionados. Vamos a uma rápida descrição das amostras degustadas.

1º Vinho. Cava Negra Chardonnay 2011. Esta linha de entrada tem o objetivo de trazer ao mercado vinhos fáceis de se beber com muita fruta, nada de carvalho e que devem ser bebidos jovens. Já conhecia a linha do Brasil e respeito muito estes rótulos por seu posicionamento. A safra 2011 ainda não chegou para nós então foi muito interessante degustar um vinho jovem e no seu ápice. Na cor um amarelo esverdeado muito claro e brilhante, no nariz um branco frutado, fresco, com toques de maça verde e abacaxi, não muito intenso. Na boca tudo que se espera de um vinho jovem, fácil, entrada leve, boa acidez com um final rápido e agradável.

2º Vinho. Finca la Daniela Chardonnay 2011. Particularmente sou fã da linha la Daniela, são vinhos que se posicionam em uma faixa intermediária / alta de qualidade mas com preços justíssimos, para se ter uma idéia, no Brasil são vendidos na faixa dos R$ 35. Outra coisa que admiro muito nestes rótulos é sua franqueza na tipicidade das castas, Mônica, a enóloga, jamais peca pelo exagero de carvalho ou maceração, são vinhos ao estilo do Velho Mundo, excelentes. Este Chardonnay estava especial, ótimo nariz, boa intensidade, notas de maçã, abacaxi, frutas tropicais e um toque de manteiga, apesar de não ter passagem por carvalho. Na boca excelente primeiro ataque com boa força mas sem exageros, final de boca muito agradável.

3º Vinho. Blason del Valle – Malbec Rose 2011. Este Vinho ainda não está no Brasil, uma pena, foi um dos melhores Roses degustados em nossa viagem até o momento, coloração perfeita casca de cebola, tons bem sutis de rosado, aromas no início estavam um pouco reduzidos mas logo abriu-se para pétalas de rosas e frutas vermelhas frescas, principalmente morango, na boca roubou a cena, excelente equilíbrio, um primeiro ataque relativamente quente mas logo sua acidez entra em cena trazendo um frescor agradabilíssimo. Cada gole pedia o segundo, um rose a ser conhecido e degustado.

4º Vinho. Finca la Daniela Reserva Chardonnay safra 2010. Outro vinho que ainda não está no Brasil, uma pena de novo, imaginem o La Daniela Chardonnay que degustamos anteriormente, com a mesma tipicidade e frescor mas agora com um toque de carvalho! Incrível, a madeira entrou para dar uma bela complexidade, nada de exageros apenas trouxe mais untuosidade no nariz e na boca, um branco para acompanhar um prato mais intenso e rico. Agradou a todo o grupo.

5º Vinho. Finca la Daniela Malbec safra 2010. Repito novamente que adoro esta linha La Daniela pela elegância e nada de excessos, vinhos com menos carvalho e álcool que muitos argentinos que estamos acostumados a degustar. É verdade que é um tinto que não agrada a todos justamente por estas características, mesmo no nosso pequeno grupo tivemos algumas divergências, no entanto, esta é a maravilha no mundo dos vinhos e bebidas em geral, não existe padronizações e gostos estabelecidos. Este Malbec apresentou aromas de morangos e cerejas frescas e notas de licor de menta. Na boca muito vivo, leviano, com uma acidez e fruta para lá de refrescante.

6º Vinho. Familia Barberis Malbec 2010. Esta linha se encontra acima da La Daniela, são tintos que buscam expressar a fruta e tipicidade da anterior mas com um aporte maior de complexidade. Isto se dá através da escolha de parcelas selecionadas e com um trabalho de vinificação mais rigoroso, explica Mônica. Realmente foi um dos tintos que mais nos impressionou na degustação, sua força e sutileza caiu super bem na degustação técnica tanto quanto acompanhando nosso almoço, um excelente vinho.

7º Vinho. Finca la Daniela Reserva Malbec 2008. Um tinto que se encontra entre o Família Barberis e o Gran Malbec, este vinho tem um aporte de carvalho frances novo de 8 a 9 meses, 100% do vinho. Estava um pouco duro num primeiro momento, taninos e acidez ainda marcantes mostrando que precisa de estiba em garrafa, contudo, um tinto muito envolvente. Nossa questão era até que ponto ele deveria custar um pouco mais que o Família Barberis? Teria razão para isto? Confesso que depois de algumas horas no decanter a resposta era sim. Enquanto o Família chegou rápido a seu ápice e depois parou aí, o reserva desenvolveu-se com maestria.

Humberto Barberis Gran Reserva Malbec 2007. O TOP da casa, ao contrário do que muitas vezes encontramos em outras bodegas, não destoa muito dos seus irmãos mais jovens, na verdade, a evolução entre as linhas da Bodega Barberis é muito sutil e pode até passar despercebida para os menos praticados, não existe aquela grande distância entre um Cava Negra Malbec e um Humberto Gran Malbec, são idênticos? Claro que não, mas as sutilezas de suas características são uma evolução como em menu degustação de um grande chef, devemos prestar atenção aos detalhes nos temperos, métodos de cocção e ingredientes utilizados. Na minha humilde opinião, quando colocamos em perspectiva a relação custo / qualidade, este Malbec foi um dos melhores degustados ao longo de nossa viagem.

Ao término de nossa visita e degustação, fomos convidados a um almoço pela família Barberis, mas ao invés de irmos a algum restaurante, Adrian preferiu montar um mesa para um assado no meio das tinas de inox em sua bodega! Já que ainda não possui facilidades para este fim. Perguntamos, pode esperar-se algo mais quando se visita um produtor?  Esta simplicidade e aconchego familiar nos conquistaram de imediato, ficamos de queixo caído com tamanha hospitalidade. Nossos sinceros agradecimentos a Adrian Barberis e toda sua equipe por esta experiência.

Os freaks "mandando ver" nas carnes e caldos da Barberis...

Um grande abraço.

 
 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos Winefreaks – Finca la Anita – Uma preciosidade

Nossa próxima visita foi a uma pequena bodega localizada na região de Agrelo ao pé da Cordilheira dos Andes, uma pequena preciosidade comandada por Manuel Más, um empresário extremamente preocupado com a qualidade dos vinhos que saem de sua vinícola. A Finca La Anita.

A Finca La Anita nos esperava de portas abertas!!!

A finca possui 70.000 hectares onde 62.000 possuem vinhas cultivadas, destes, uma pequena parte é direcionada para a produção da bodega, o restante é vendido a outras vinícolas da região. Hoje são apenas 200.000 litros produzidos anualmente.

Dois enólogos comandam o processo dentro da vinícola, Soledad Vargas e Sebastian della Fazia. A produção média fica em 6000 a 8000 litros por hectare. Todo processo de irrigação acontece por gravidade com água do degelo e não trabalham com sistema de gotejamento como muitas vinícolas.

Sebastian nos recebe em meio aos vinhedos da Bodega.

Os vinhedos são explorados com casta brancas que incluem Tocai, Sauvignon Blanc, Semillion e Chardonnay e nas tintas, Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Petit Verdot, Malbec. Algumas vinhas de Syrah e Tocai podem chegar aos 60 anos de idade.

Vinhas antigas, manejo artesanal, baixa produção e irrigação por sulco...alguns dos segredos da qualidade dos vinhos da Bodega La Anita

A partir do ano passado a bodega passou a receber acessoria da enóloga Suzana Balbo, especialmente nos vinhos de corte trazendo ainda mais qualidade aos vinhos finais.

Na entrada da Bodega existe uma coleção pessoal de arte do proprietário Manuel Más de procedência do artista Lorenzo Domingues com peças lindas. A sala de barricas possui 60 unidades divididas em francesas, americanas e búlgaras.

Uma visão do salão que abriga uma mostra de arte, além de uma agradável sala de degustação.

Passamos por uma degustação de amostras de tinas de inox e, posteriormente, vinhos finalizados que devo dizer que apresentaram uma qualidade acima da média, realmente foram poucas as bodegas que conseguiram chegar neste nível de vinhos brancos e tintos. Passamos abaixo algumas de nossas avaliações.

Todas as amostras degustadas de tinas de inox descritas abaixo são da safra 2011, ainda não engarrafada, sem passagem por carvalho. Parte do vinho de cada uma destas amostras estão afinando nas pipas de caravalho esperando pelo corte com estas a amostras das tinas, ou seja, os vinhos ainda irão crescer muito, estávamos degustando vinhos não acabados.

A Finca la Anita possui algumas linhas de vinhos que se dividem na seguinte ordem: Cuarto de Milla / Luna / Finca la Anita / Finca / Varúa.

1ª Amostra. Petit Verdot 2011. Uma fera enjaulada, opulento, fechado, negro na taça, aromas animais ainda reduzidos, leve toques herbáceos. Na boca um monstro, taninos nervosos e duros, grande acidez, precisará mais um bom tempo de afinamento, promete ser um grande vinho dentro de alguns anos. Um tinto a ser observado.

2ª Amostra. Cabernet Sauvignon 2011. Destinado a linha Finca la Anita, bem estruturado, no nariz aromas típicos de pimentões verdes, especiarias, intenso. Na boca já apresentou um belo equilíbrio, com taninos domados e boa acidez.

3ª Amostra. Malbec 2011. Violáceo-azulado, muito fechado, no nariz notas de frutas negras cozidas, especiarias, café. Na boca grande corpo, taninos macios da malbec com uma acidez muitíssimo interessante. Está em franco crescimento, com certeza promete ser um grande malbec em alguns anos.

4ª Amostra. Syrah 2011. Esta casta é a menina dos olhos desta bodega, ano após ano a Syrah tem se mostrado muito consistente produzindo excelentes tintos de La Anita. Na minha opinião foi a melhor amostra degustada, fechadíssimo no visual, aromas marcantes de couro, cacau, mirtillos , potente no aromas mas elegantíssimo. Na boca perfeito, taninos nervosos mas bem trabalhados, final de boca bem marcado e muito longo, promete ser um grande caldo depois de um pequeno corte com  sua parcela no carvalho.

5ª Amostra. Merlot 2011. Incrível este tinto, um dos aromas mais enigmáticos das amostras, segundo Sebastian, esta amostra vem se transformando semana após semana. No aroma toques de especiarias, marmelo, couro, terra, não muito intenso. Na boca, um merlot típico, acidez e taninos macios e com uma estrutura mediana, promete ser um vinho muito elegante.

Terminando a degustação das amostras, passamos a sala de degustação para provarmos os vinhos engarrafados para comparações e análises.

1º Vinho. Finca la Anita Tocai 2010 – 13,3% – 6756 garrafas produzidas.

Cor amarelo palha com aromas discretos, apresentando toques florais, chocolate branco e marmelada, muito sutil, é um branco que impressiona no nariz. Na boca excelente, acidez no ponto, refrescante, com grande intensidade de sabores, um daqueles vinhos que inicia sutil e abre-se para grande potência. Excelente.

2º Vinho. Finca la Anita Chardonnay 2011 – 14%.

Que vinho maravilhoso, conquistou todo o grupo sem exceções, um clássico. Seus aromas untuosos, amanteigados mesclam-se perfeitamente com toques de cacau e maça verde. Na boca muita estrutura, potente mas com uma bela acidez. Um chardonnay a ser degustado.

3º Vinho. Finca la Anita Petit Verdot Rosado 2011 – 13,80%

Um rose de Petit Verdot com quase 14% de álcool já não me impressiona na partida. Uma uva tintória de grande estrutura por si só já tende a resultar em um vinho chato e foi mais ou menos o que vimos. Um rose de coloração cereja escuro, seu nariz estava fechado com notas de frutas vermelhas, morango. Na boca discreto faltando certa vivacidade, um bom rose mas nada extraodinário.

4º Vinho. Cuarto de Milla Branco 2011.

Este vinho de entrada da Finca é um corte Cardonnay / Semillion / Tocai. Mostrou-se uma excelente relação custo / qualidade, no nariz muito franco com aromas de frutas brancas e na boca um primeiro ataque potente, mostrando uma chardonnay bem maturada com excelente equilíbrio. Um vinho que custa na casa dos 20 pesos argentinos está muito bem.

5º Vinho. Luna Syrah 2011 – 15%

Como nas amostras de tanque o Syrah continua mostrando-se como um grande tinto desta bodega, este da linha intermediária estava muito bom, aromas de especiarias, cravo da índia, pimenta preta e couro apresentou-se com uma boca equilíbradíssima, potente, com ótimo volume de boca e um final muito elegante. Um belíssimo Syrah.

6º Vinho. Luna Malbec 2011 – 14,3%

Belíssimo Malbec, ameixas negras, mentolado, geléia de frutos vermelhos foram seus aromas, na boca ótimo, macio, redondo, taninos domados, excelente final, um grande achado desta linha Luna.

7º Vinho. Finca la Anita Malbec / Merlot – 14%

Neste corte não safrado de diferentes parcelas de Malbec e Merlot foram produzidas somente 10.066 garrafas. Nos impressionou muito. Aromas mentolados, couro, cassis, geléia. Na boca uma bela sinegia entre as duas castas, a maciez da Merlot estava em perfeito ajuste com a potência da malbec, um tinto que inicia discreto e vai crescendo. Recomendamos muito.

8º Vinho. Varúa Malbec 2008 Linea Pinacoteca. 14,3%

Obras de pintores Mendocinos ilustram seus rótulos, a cada safra as obras mudam. São produzidas somente 1500 garrafas em cada safra desta linha. Um vinho especial, de autor, só é produzido nas grandes safras, sem duvidas um ícone.

Um grande tinto para se avaliar, no momento da degustação apresentou aromas complexos de especiarias, pequenas notas licorosas, aromas terrosos, frutas vermelhas cozidas e morangos secos. Na boca perfeito equilíbrio, como no nariz, inicias com notas levemente licorosas, mostrando uma fruta bem madura, mas com taninos e acidez no ponto para contrabalançar. Muito volumoso com um final de boca elegantíssimo. Um grande vinho que apesar de caro deve fazer parte de qualquer boa adega.

Amanhã falaremos um pouco de nossa próxima visita na Bodega Barberis.

Grande abraço

 
 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos Winefreaks – Viña Las Perdices. Uma promessa!

Começamos nossas visitas em Mendoza com uma Bodega em que já conhecíamos os vinhos no Brasil, mas que ainda está em fase de ser descoberta pelos enoapaixonados – a Vinã Las Perdices é um empreendimento familiar comandada pelo casal Don Juan Muñoz López e Dona Rosário, e seus filhos: Nicolás, Estela e Carlos.

Uma das vistas da bela Viña Las Perdices

Localizada ao pé da Cordilheira dos Andes, a Viña Las Perdices está a aproximadamente 1030 m de altitude, em Agrelo, Luján de Cuyo.Os vinhedos são próprios, e somente são engarrafados vinhos que provêm de uvas de suas propriedades, que atualmente somam 80 hectares. A idade das vinhas é em média de 30 a 40 anos. A Bodega possui dois vinhedos, um em Agrelo – este que visitamos e o vinhedo de Los Barrancos localizado em Maipu.

Hoje 60% da produção é direcionada a exportação, sendo seus principais mercados EUA, Canadá e Brasil. Nos vinhedos todas as plantas são proveniente de pé franco, sem enxertos. A irrigação acontece por gotejamento e também por gravidade com água do degelo.

Sulcos nas ruas são usados para irrigação por gravidade

Dentro da vinícola, muito bem organizada, existem tanques de inox de 5,10, 30 e 60 mil litros para conduzir-se vinificações separadas e bem controladas. Hoje a produção total da Bodega está em 500.000 garrafas ano.

Nossa visita estava agendada para as 10 horas da manhã e, logo que chegamos à bodega fomos recepcionados por Carlos Muñoz, um dos filhos e enólogo da casa, (mais tarde descobriríamos a genialidade deste profissional). Como já tem sido o padrão de recepção Mendocino, Carlos nos recebeu de forma extremanente calorosa, nos levando imediatamente para um passeio pela Bodega. Ficamos os primeiros 30 minutos em uma conversa, ou melhor dizendo, em uma aula que recebemos de Carlos, parados em uma grade sobre as pipas de inox com a paisagem dos vinhedos ao fundo.

Logo após esta recepçao Carlos nos convidou para uma degustação dos seus vinhos. A princípio estranhamos um pouco pois não localizamos uma mesa de degustação com as garrafas abertas, mas então veio a grande surpresa, iríamos degustar somente amostras de tanque! Nada de vinhos já engarrafados. Confesso que neste momento olhei para os céus e agradeci a Max, um dos socios da importadora Bodegas, que traz os vinhos ao Brasil, por nos oferecer esta chance.

Retirar o vinho diretamente da fonte não tem preço!!!

Bem, queremos ter o prazer de dividir com nossos amigos e seguidores um pouco destes caldos que degustamos.

1ª Amostra. Las Perdices Sauvignon Blanc safra 2011. Lindo amarelo esverdeado,  aromas discretos de folhas verdes, herbáceo e frutas tropicais. Na boca muito típico, com uma acidez balanceada e final de boca agradável. Normalmente os Sauvignon Blancs argentinos não me impressionam muito mas este Las Pedices sem dúvida já está entre meus favoritos,  elegancia e discrição ao invés de potência.

2ª Amostra. Las Perdices Albariño 2011. Este é um lançamento, ainda não veio ao mercado, fomos agraciados com a chance de degustá-lo antes, por sorte, pois este branco estava realmente maravilhoso. Os aromas típicos de flores brancas, algo cítrico e nuances minerais de pederneira revelavam um verdadeiro Albariño. Na boca estava realmente muito bom, não tinha a potência dos grandes Albariños e Vinhos Verdes mas com certeza impressionou muito ao grupo. Grande branco.

3ª Amostra. Las Perdices Cabernet Sauvignon 2011. Belo tinto, este vinho dividiu um pouco as opiniões do grupo, aromas mentolados, especiarias e toques de vanila mostravam um tinto bem integrado com o carvalho. Na boca uma acidez gostosa e refrescante com taninos integrados e álcool no ponto. Talvez não o classifiquemos como um grande cabernet mas sem duvida estava muito bom, particularmente gostei bastante.

4ª Amostra. Las Perdices Reserva Bonarda safra 2010. Bem, aqui começamos a balançar, que vinho, fechado na taça, muito escuro, com um lindo nariz com toques de menta, tabaco, especiarias, chocolate amargo, muito amplo. Na boca volumoso, caravalho muito bem trabalhado, taninos nervosos com uma acidez vibrante, um grande tinto para se harmonizar com um grande assado. Que vinho. Fiquei muito de feliz de saber com Carlos que a Bonarda está começando a se tornar uma variedade séria na Argentina e deixando de ser utilizada para grandes produções sem qualidade. Aqui ela se chama CORBEAU, e tem uma estrutura diferente da Bonarda italiana.

5ª Amostra. Las Perdices Reserva Don Juan 2009. Um corte 70% Malbec  e o restante Syrah, Bonarda e Merlot. Que potência controlada. Como é bom tomar um vinho com grande pegada mas sem exageros. Aromas já completos e boca muito elegante. Muito longo e agradável no final. Melhorava a cada minuto na taça. Foi um dos melhores do dia.

6ª Amostra. Amostra de Malbec safra 2010 direto da barrica de carvalho. Surpresa, Carlos puxou uma pipeta e tirou uma dose de um caldo pesado de uma barrica. Nos serviu e pediu que analisássemos juntos aquela amostra de malbec. Quando questionei sobre qual linha estávamos degustando ele apenas se limitou a dizer: “Ainda não sei, vamos ver o que voces acham”. Quando coloquei o vinho no nariz e depois na boca o tempo parou! Tenho de dizer que foi um dos melhores Malbecs que degustei nos últimos tempos. Apesar de ainda estar em evolução na barrica, estava simplesmente divino, perfeito, sem arestas ou defeitos. O nariz era uma mistura de potência do novo mundo com a classe dos vinhos europeus. Sua boca confirmou isto, cada gole pedia o próximo, ficamos em extâse. Com certeza Carlos sabia para qual corte iria este malbec… Que momento freak.

7ª Amostra. Las Perdices Sauvignon Blanc Fummé 2010. Quando pensávamos que mais nada poderia melhorar Carlos nos surpreendeu novamente, nos fez degustar um Sauvignon Blanc com passagem  e fermentação em barricas de carvalho. Se no Sauvignon Blanc varietal faltava um pouco de estrutura neste sobrava. A integração entre fruta e madeira é impressionante, normalmente não gosto do Sauvignon Blanc com carvalho mas me curvei para este. E foi a opinião geral do grupo. Perfeito. Pena que ainda não está no Brasil.

8ª Amostra. Las Perdices Ice Malbec. Um vinho licoroso 100% Malbec com uvas colhidas tardiamente quase em condição de passa. Com um teor alcóolico de 11,5% e 170 gr de açúcar residual este licoroso vem  ser uma proposta bem interessante para os amantes deste tipo de vinho. Segundo a explicação do enólogo Carlos “o esfriamento constante das uvas por vários dias, atingindo temperaturas inferiores a -8ºC, temperatura na qual começa a cristalizar a água formando cristais de gelo. Após a prensa é obtido um mosto de caraterísticas únicas, com uma relação uva/vinho de 8 kg por litro”. Para nos um rose licorosos de aromas a frutas vermelhas frescas, morangos secos e geléia. Na boca uma primeiro ataque macio, quente, mas com uma acidez muito gostosa para equilibrar. Sem dúvida tomá-lo gelado.

Alguns dos inúmeros rótulos de vinhos da Las Perdices

Após esta degustação épica, fomos acompanhados pelo diretor de marketing Aníbal para um almoço harmonizado em um belo restaurante, La Barrica. Uma grande dica para quem está em Mendoza buscando um bom restaurante para almoço.

Fachado do Restô La Barrica

Nosso mais sinceros agradecimentos a Carlos e Aníbal pela incrível recepção e toda sua equipe, realmente notamos um sentimento de empenho em um trabalho sério e dedicado. Espero de todo coração que estes vinhos maravilhosos sejam logo descobertos por apaixonados no Brasil.

Carlos, Cristiano e Aníbal após a incrivel degustação.

Grande abraço.

 
 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos winefreaks – San Rafael parte 1

Seguindo nossa viagem chegamos ontem a noite na cidade de San Rafael, mais ou menos 240 Km ao sul de Mendoza, uma cidade extremamente pitoresca com ar de cidade praiana a 700 mts de altitude. Uma avenida principal, Av. Mitre,  corta a cidade de lado a lado recheada de bares a restaurantes com todos sentados nas mesas a rua. Por incrível que pareça é uma das poucas cidades Argentinas que visitamos que a gastronomia não gira em torno das carnes e assados, grande parte dos restaurantes oferecem massas, pizzas e principalmente tapas, mas nem por isso deixando a desejar.

Ficamos hospedados em um apart hotel boutique chamado Tierra Mora que apesar dos quartos estarem próximos a uma piscina bacana em nada lembram um boutique hotel, na verdade, perto de nossos hotéis desta categoria em Gramado e Canela faria muito feio. Para se dormir uma noite ou duas tranquilo, mas nada mais.

Falando um pouco de vinhos e vinhedos San Rafael oferece uma gama grande de possibilidades de visitas a Bodegas, são mais de 90 nesta regiao, desde bodegas pequenas e familiares produzindo vinhos de classe e a granel até grandes vinícolas com uma estrutura turística bem armada. Os vinhedos estão localizados a uma altitude média de 700 a 800 m, com uma variedade grande de cepas, Pinot Grigio, Tocai, Sauvignon Blanc, Chardonnay, Chenin nas brancas e Merlot, Cabernet Sauvignon, Malbec, Bonarda, Sangiovese, Tempranillo, Syrah nas tintas, entre outras.

Nossa visita nesta região foi focada em uma bodega com um nome forte em San Rafael e que já conhecíamos os vinhos no Brasil, Alfredo Roca, contudo, não imaginávamos o que nos aguardava ao longo do dia.

A vinícola é comandada por seu presidente e enólogo (hoje aposentado desta função) Alfredo Roca e seu filho e duas filhas, Alejandro Roca, vice-presidente e enólogo ativo, Carolina e Graziela Roca que cuidam do setor administrativo e comercial. Alfredo Roca comprou uma propriedade de 100 anos e a transformou no que é hoje uma empresa sólida e que faz um trabalho muito respeitável. O prédio é construído com Adobe ( uma pedra da região) com paredes duplas de mais de 70 cm cada. Mesmo com uma temperatura externa de 35ºC naquele dia dentro estava muito fresco.

 

A Bodega possui dois vinhedos principais, La Perseverancia e Santa Hermínia, praticamente 100% de seus vinhos são de vinhedos próprios. Foi a primeira Bodega a se aventurar com a cepa Pinot Noir na região com resultados impressionantes. Algumas de suas vinhas que vimos nos vinhedos chegavam a ter 70 a 80 anos de idade, com algumas até mais velhas.

Enzo, Alejandro e Cristiano em um dos talhões da Finca.

Outro dado que fiquei muito surpreso, apenas 10 a 15% de seus vinhedos são enxertos, todo restante plantas pé franco. São em torno de 800.000 garrafas produzidas por ano sendo 60% de sua produção direcionada ao mercado externo ( O Brasil é seu principal mercado). A bodega trabalha com barricas de carvalho novas, sendo a grande parte carvalho americano e também com pilhetas de concreto revestidas de 18.000 litros cada com placas de resfriamento internas.

Fomos recepcionados pelo vice presidente Alejandro, um rapaz com seus 37 anos de idade que hoje toca a empresa lado a lado com seu pai. A simplicidade e simpatia de Alejandro nos deixou de queixo caido, apesar de seu cargo na empresa fez questão de nos acompanhar durante todo o percurso. Nos conduziu por uma passeio pela bodega, vinhedos, uma degustação fora do padrão usual e um almoço incrível. Recomendamos muito um passeio por esta Bodega aqueles que se aventurarem por estas bandas.

No Brasil os vinhos Alfredo Roca são trazidos pela importadora Casa Flora / Porto a Porto com praticamente toda sua linha.

Alejandro Roca e seu Preciado!!!

Em retribuição à acolhida convidamos a Familia Roca para uma visita à Região das Hortênsias e lhe entregamos um kit com informações sobre a cidade de Canela e seus principais atrativos.

Jonas e Enzo entregando kit de Canela à Alejandro Roca.

No próxima blog estaremos postando nossas impressões dos vinhos degustados hoje ao longo do dia.

Grande abraço

Winefreaks.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 27 de janeiro de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Sem categoria

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Vinho e comidas apimentadas: Dá pra combinar?

Meu amigo Felipe Carrara, leitor assiduo do Blog dos Winefreaks me apresentou mais um questionamento interessante nessa semana e achei por bem compartilhá-lo com todos vocês. Afinal de contas, é possível casar bem os vinhos com comidas apimentadas?

Até bem pouco tempo atrás, frequentemente ouviríamos um enfático NÃO, mas hoje em dia, culinárias como a Japonesa, Chinesa, Mexicana, Tailandesa e Indiana tem casamentos bastante interessantes com os mais variados tipos de vinhos.

Para sermos práticos vamos à algumas linhas básicas que vão nos nortear para as escolhas mais acertadas:

  • Comidas apimentadas apresentam sensação de ardência ou calor marcantes, para acompanhá-las precisaremos buscar uma refrescância à esse ataque na lingua, nisso os brancos leves, frescos e frutados são campeões;
  • Minha primeira opção pode parecer meio fora de moda, mas sugeriria bons vinhos alemães de Riesling e Gewürztraminer pois sua doçura e brilhante acidez ligam muito bem com pratos mais condimentados. Os brancos da Alsácia (que seguem os mesmos princípios e castas são a opção mais classuda…).
  • Um Shiraz branco, um Pinot Grigio também costumam casar muito bem com comida picante; um Savignon Blanc poderá ser uma ótima opção, especialmente se for para acompanhar comidas que tenham limão ou vinagre. Um jovem Syrah funciona  muito bem, especialmente para acompanhar comidas muito aromáticas como a comida Indiana.
  • O gengibre,oniporesente nos pratos indianos, thais e chinesss, fica delicioso com um bom vinho verde de Portugal, Riesling e Pinot Grigio, muito bom também com Gewürztraminer, Sauvignon Blanc da Nova Zelândia e Soave da Itália, e bom com uma série de outros brancos franceses, italianos, espanhóis e sul-africanos.
  • Tal como os pratos picantes, o sushi pede vinhos brancos leves com um toque de doçura frutada, ou um vinho tinto leve e baixo em taninos.
  • Já na cozinha mexicana, vou ousar um pouquinho pois apesar de tão condimentada quanto a oriental, pode se dar muito bem com vinhos tintos de bom corpo, como um Rioja, um Syrah, um Malbec ou um Zinfandel.
  •  Cuidado com taninos muito marcados e vinhos muito encorpados pois eles podem aumentar a sensação de calor e transformar seu jantar num incêndio…

Agora é só iniciar os testes!!! E lembrando que a combinação vinho e pimenta é pra lá de afrodisíaca…tratem de estar preparados e bem acompanhados…

Saudações Freaks à todos!!!!

 
6 Comentários

Publicado por em 30 de novembro de 2011 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  •  
    %d blogueiros gostam disto: