RSS

Arquivo da tag: Tupungato

A saga dos Winefreaks na Argentina chega ao seu final…reflexões, números, curiosidades e as previsões para as próximas aventuras em 2012.

Após 5650 km de estradas percorridas no Brasil e na Argentina, com um consumo de aproximadamente 570 litros de óleo diesel, duas correias trocadas e alguns percalços com a extremamente corrupta polícia rodoviária argentina, poderíamos dizer que a viagem foi um tanto exaustiva, um pouco arriscada e, algumas vezes, até uma provação. Mas isso só teria valor se desconsiderássemos a impressionante marca de 111 amostras diferentes de vinhos incríveis que degustamos na Bodega Alfredo Roca em San Rafael, na Salentein e Bodega La Azul em Tupungato, na Viña Las Perdices, Finca La Anita, Bodega Barberis, Bodega Carinae, Nieto Senetiner e Serrera Vinos em Mendoza, além das dezenas de outras garrafas consumidas na companhia de pratos incríveis dos mais de 20 restaurantes que experimentamos ao logo do trajeto.

Na cava de vinhos antigos da Nieto Senetiner...eles não sabiam o risco que estavam correndo!!!

A miríade de aromas e sabores, temperada pelo terroir argentino, com suas nuances de clima, altitude, solos, técnicas de vinificação e, sobretudo, de pessoas e da alma mendocina se apresentaram em uma experiência única e inesquecível.

Hospedamo-nos em pousadas luxuosas e hospedarias de beira de estrada, em hotéis econômicos e em redes internacionais, sendo 1 noite em Santa-Fé, 2 noites em San Rafael, 1 noite em Tupungato, 7 noites em Mendoza, 1 noite em Federal e 1 noite em Livramento.

Além dos vinhos, incríveis paisagens naturais e construtivas como a visão dos pampas argentinos, a travessia pelo túnel que cruza o Rio Paraná com quase 3 quilômetros de extensão e mais de 30 metros abaixo do fundo do rio, as estradas com retas quase infinitas acompanhadas de desertos imensos de ambos os lados, e do Parque Provincial Aconcágua, base da montanha mais alta das Américas: o Aconcágua também abrilhantaram o roteiro.

Foram 13 dias descobrindo na prática aquilo que dizia em latim, o filósofo Gaius Plinius Secundus na mensagem “In vino veritas” numa das primeiras tentando de traduzir o abstrato sensorial para a ótica da poesia.  “No vinho, a verdade”.

Composto de humor líquido e luz, o bom vinho é um camarada bondoso e de confiança, quando tomado com sabedoria. Merecido nas vitórias e necessário nas derrotas é composto de líquido e luz, dando palavra aos pensamentos e alegrando o coração do homem. E, sem sombra de dúvida, o vinho é o melhor lugar para se encontrar amigos.

Galileu, Shakespeare, Napoleão, Goethe, Samuel Johnson e Arruda certamente concordarão conosco.

Os Winefreaks prontos pra próxima aventura!!!

Cristiano Ribeiro, Enzo Arns, Jonas Lunkes, Leandro Sperry e Isac Azevedo são os Winefreaks. A viagem foi apoiada pelas seguintes empresas: Prefeitura Municipal de Canela, Brocker Turismo, Guimarães- Griffe em Imóveis, Super Carros, Harley Motors Show, Museu de Cera, Hollywood, Auxiliadora Predial – Casa da Serra, Santé Atividade Corporal, Ecoparque Sperry, Restaurante Bergamota, Agência Viajar Melhor e Mercadores de Vinhos. O Jornal Integração e a Revista Gramado cobriram a viagem com exclusividade.

E no mês que vem acompanhem os Winefreaks em uma nova viagem, agora na Serra Catarinense. Para saber tudo sobre a viagem, com fotos e informações detalhadas e ainda receber dicas e conferir as análises detalhadas de cada um dos 111 vinhos degustados, acesse www.winefreaks.com.br.

 
2 Comentários

Publicado por em 1 de março de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Fechando com chave de ouro: Serrera Vinos

Encerramos nossa visitas na sexta-feira à noite em uma pequena bodega localizada na região de Luján de Cuyo, contudo, esta visita era muito mais do que conhecer instalações, visitar vinhedos e degustar bons vinhos, era uma visita a velhos amigos. Ir a Mendoza e visitar meus grandes amigos Hernán e Vitu já se tornou agenda obrigatória e não poderia deixar de ir com meus confrades winefreaks.

Hernán e Vitu são proprietários da Serrera Vinos, uma bodega relativamente desconhecida no  Brasil,  tem seus rótulos trazidos ao Brasil pela importadora Hannover,  mas que produz vinhos interessantíssimos. A Serrera possui vinhedos espalhados pelas principais regiões produras de Mendoza, Luján de Cuyo, Agrelo e Tupungato, produz uma média de 200.000 Kg de uvas ano, contudo, apenas uma pequena e selecionada parcela destas ficam na Serrera, o restante é vendido para outras grandes bodegas. Possuem uma planta em Luján que faz todo o processo de vinificação.

Vinhedos com mais de 100 anos em cultivo orgânico no quintal de casa...que tal???

Fomos recebidos na casa de Hérnan, onde possui uma pequena propriedade cercada de vinhedos com quase 100 anos de idade onde conduz as vinhas de forma orgânica. Além disso Hérnan tem uma criação de cabras para produção de leite e queijo fabricado ali mesmo em sua propriedade, queijos estes que provamos juntos com os vinhos, deliciosos.

Vai um queijinho de cabra direto da fonte???

Logo que chegamos Hernán nos conduziu para uma pequena sala onde preparou uma mesa com alguns vinhos para nossa degustação, todos rótulos novos que ainda estão para entrar no mercado e algumas preciosidades! Sem grandes demoras vamos fazer uma análise dos vinhos provados pois nesta noite os vinhos não eram o assunto principal.

As "crianças" que nos foram oferecidas no início da noite...

Serrera Torrontes 2010. Sem dúvidas um dos melhores Torrontes degustados na viagem, da variedade Torrontes Riojano, a idéia segundo Hernán era buscar um vinho não muito intenso, como alguns Torrontes que chegam a ser enjoativos, mas com uma boa carga aromática. Realmente estava muito bom no nariz, não muito explosivo, toques florais e frutas brancas e tropicais. Na boca redondo, elegante, sutil, uma discrição acima da média quando falamos de um torrontes. Excelente.

Serrera del Pecado 2008. Este é o tinto de entrada da Serrera, um corte 55% Cabernet Sauvignon e 45% Malbec, a proposta é um tinto fácil, sem carvalho, com muita fruta presente. Pelo preço que é cobrado, 10 pesos na Argentina, superou as expectativas, a única ressalva é que foi servido um pouco quente, escondendo sua tão desejada fruta, após resfriarmos um pouco voltou a vida novamente.

Serrera Moments Malbec 2008. Corte de Malbecs de diferentes terroirs, Tupungato, para lhe trazer mais frescor, e Luján de Cuyo, para aporte de estrutura. A proposta deste vinho é ser uma passagem do del pecado para a linha reserva, realmente é um belo tinto, com excelente custo/qualidade, a duvida é se os clientes não preferem pagar um pouco mais e ir direto para o reserva? Entramos num pequeno debate sobre este tema que Hérnan chegou a concordar. No entanto, um tinto a ser degustado.

Neste momento, nos demos conta que Hérnan ia mudando a música ambiente a cada vinho servido, como se buscasse uma harmonização diferente, não sabemos dizer se foi isto mas a verdade é que a energia estava ótima nesta noite.

Um brinde entre os trabalhos pra descontrair!!!!

Serrera Reserva Malbec 2010. Chegamos a linha reserva, este vinho foi feito com uvas de Luján de Cuyo, que segundo Hernán foi uma safra muito boa, com bastante estrutura fenólica nos grãos. Hernán tratou de preservar muito a fruta deste malbec, notava-se isto no nariz, aromas limpos de frutas vermelhas, mirtillos, final tabaco e especiarias mostrando um aporte de carvalho muito bem trabalhado. Na boca um belíssimo Malbec, equilibradíssimo, nada de bombas alcoólicas, mas um vinho com energia e vida com um final de boca revigorante.

Serrera Reserva Bonarda 2008. Nos falando um pouco deste vinho, foi uma excelente safra em Tupungato, disse Hernán,  origem desta Bonarda, um ano com muita concentração de cor e aromas. As uvas deste vinho são provenientes de vinhas com mais de 40 anos de idade. Levamos o tinto ao nariz. Uau!! O que foi isto? Que belíssimo bouquet, concentrado, pimenta negra, cravo, notas mentoladas, final levemente herbáceo, elegantíssimo, nao muito potente mas com uma persistência incrível. Na boca só melhorou, a rusticidade da Bonarda, quase mastigável já pedia um entrecot jugoso para acompanhar, que tinto maravilhoso, foi eleito naquele momento o Bonarda da semana.

Serrera Gran Guarda 2005. Chegamos a prata da casa, momento único, consegue-se notar facilmente a admiração de Hernán por este vinho, a forma como conseguiu aproveitar as qualidades da Malbec ao máximo, a forma como conseguiu integrar o carvalho novo com maestria. Sem dúvida um grande malbec no nariz e na boca, potência com balanço, vinho gastrômico, sem dúvidas chegamos ao Freak da noite. Como se não pudesse melhorar Hernán foi a seu laptop e colocou o volume no máximo, estava tocando Brother in Arms – Dire Straits. Ao som de Mark Knopfler podemos dizer com certeza que aquele foi um momento Timefreaze.

Após terminarmos esta degustação maravilhosa Hernán nos conduziu ao pátio de sua casa onde havia montado uma mesa no pátio e Vitu já nos aguardava com a Parrillera queimando lenha e alguns pedaços de carnes selecionadas tostando sobre a grelha.

O fogo pronto pra fazer umas carnes na grelha!!!

Bem, não precisamos dizer que foi uma noite memorável, ainda mais quando Hernán chegou a mesa com uma garrafa de um Serrera Reserva Syrah 2002, ano da primeira safra da Serrera. Como costuma dizer nosso amigo Vitu: “Que vida de mierda!!”

Será que a noite estava boa???

Nossos mais sinceros agradecimentos a Hernán, Vitu, Verônica e toda sua família que nos receberam de braços abertos em sua casa e fez de nosso último dia em Mendoza um momento inesquecível.

Que vida de mierda!!!!
 
1 comentário

Publicado por em 24 de fevereiro de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos winefreaks – Tunduque!!!!

Tudo começou em uma conversa despretenciosa na Pousada Salentein em que recebemos uma dica valiosa, uma pequena bodega localizada a poucos quilômetros de distância, com uma produção reduzida, comandada pelo proprietário e dois enólogos em uma pequena garagem de vinificação mais ou menos do tamanho da sala de degustação da Salentein.

Azul – Este é o nome da vinícola. Um pequeno empreendimento que passa despercebido aos olhos desavisados dos viajantes. Estacionamos a van no pátio e batemos a porta de ferro onde parecia estar a cantina de produção de vinhos e, em poucos segundos apareceu um rapaz muito simpático chamado Luiz – um dos enólogos da casa. Nos pediu para aguardar alguns minutos pois estava terminando uma degustação com um casal de americanos. Sentamos num lounge externo para aguardar. Confesso que a espera foi bem agradável, com um sol intenso, a galera em uma ótima vibração e muito verde ao redor.

A cantina parecia bem simples, mas era exatamente o que a gente esperava...uma garagem pra chamar de nossa!!!

Uma pausa pra esperar os vinhos que estavam por vir...

Quando entramos no prédio ficamos impressionados com a simplicidade do lugar, algumas poucas tinas de inox e algumas barricas de carvalho frances novas do outro lado da garagem. Uma prensa manual se encontrava no canto nos dizendo que tínhamos chegado ao local certo.

Logo que entramos Luiz já nos chamou para perto de uma mesa de degustação com algumas garrafas de vinhos abertas e começou a falar um pouco do empreendimento. Realmente é uma bodega familiar pequena com uma produção limitada, são apenas vinhos tintos dentro de três linhas, os varietais, reservas e gran reservas. As castas utilizadas são a Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah e nada mais.

Luiz e uma de suas obras...nossos agradecimentos pela oportunidade pibe!!!

Somente 40.000 garrafas produzidas por ano, 7 hectares plantados, toda produção vem de vinhedos próprios

Partimos para a degustação, inciamos com a linha varietal, os vinhos de entrada, provamos o Malbec e o Cabernet Sauvignon, vinhos honestíssimos, fáceis de se beber, sem passagem por carvalho com média estrutura e corpo. Excelentes propostas para um vinho de almoço ou para acompanhar um prato mais leve. O preço mais do que justo, 40 pesos argentinos, cerca de R$ 20,00.

Na sequencia provamos o Azul Reserva safra 2008 / 85% Malbec – 15% Cabernet Sauvignon. Aqui tivemos nossa primeira grata surpresa, com um nariz interessantíssimo, elegante, num primeiro momento aromas típicos da malbec com ameixas negras e arándanos, toques florais, num segundo momento toques herbáceos da Cabernet. Na boca um vinho com alma, com a assinatura de seu enólogo, excelente equilíbrio, seus 15 meses de carvalho apenas engrandecem a obra. Ficamos muito satisfeitos com este corte. Preço: 75 pesos argentinos, R$ 35,00.

Partimos para a degustação do TOP da casa, Azul Gran Reserva safra 2007 – 50% Malbec / 50% Cabernet Sauvignon com 24 meses em barricas francesas novas. Estranhamos um pouco pois a garrafa estava ainda fechada sobre o balcão, um vinho como este deveria pedir uma aeração prévia, mas enfim, éramos convidados… Então veio a grande surpresa, Luiz puxou uma pipeta e nos ofereceu uma amostra de tanque para degustar! Dá para acreditar? Quantas bodegas ainda oferecem amostras de tanque para um grupo de desconhecidos? O vinho que nos ofereceu ainda nao estava finalizado, estava com 15 meses de caravalho, ainda ficaria outros 9 meses em afinamento até vir para o mercado.

Esse realmente foi Freak!!!!

Luiz nos pediu para degustar aquela amostra e imaginar o potencial do vinho algum tempo a frente. Bem, o que provamos fez o tempo parar. Nas palavras dos winefreaks este foi um verdadeiro “time freeze”. Grande tinto, negro na taça, quase sangue, no nariz aromas levemente reduzidos mas que logo se abriram para toques de couro, especiarias, alcaçuz, final mentolado. Muito, muito elegante. Na boca um monstro, primeiro ataque lembrava quase um licoroso mas logo sua acidez e frescor entram em cena para contra balançar. Final de boca muito agradável e absurdamente longo, ficamos todos de queixo caído. Bem, fomos obrigados a trazer algumas garrafas para ver como estara este caldo depois dos 9 meses de carvalho que lhe faltavam.

A galera freak em recuperação após o time freeze!!!!

Depois da degustação partimos para o almoço no restobar que existe dentro da Bodega, um restaurante comandado pela família. O proprietário Alejandro Fadel e seu familiar Paulo nos serviram um menu degustação de 5 pratos incríveis. Iniciamos com alguns pães caseiros e uma pasta de beringela defumada perfeita.

Que tal o Restobar?

A primeira entrada foi um creme de cebolas com batatas e manteiga com um toque de cebolas roxas caramelizadas.

Segunda entrada uma composição de uma fritada de ovos caseiros com temperos verdes e uma brusqueta com presunto parma cru e parmesão.

Terceira entrada empanadas. Entrañas de vacuno cortadas com el cutillo e um triângulo de cerdo (porco) e pasta de pimenta.

O prato principal consistiu de um ollo de lomo (entrecot) preparado no ponto jugoso, perfeito,  com um toque de chimichurri acompanhado de uma salsa de abacate e vinagrete com papas, berinjela e abobrinhas grelhadas.

Para finalizar esta maratona duas sobremesas, uma mousse de chocolate servida sobre um creme de pêssego e uma sobremesa chamada Vijlante, membrillo (marmelo) servido com queijo e uma calda de amoras com nozes.

Quando já tínhamos finalizado nosso almoço e estávamos pagando a conta,  satisfeitíssimos,  passou correndo perto da janela uma espécie de porquinho da índia, ou Preá como conhecemos, logo que Paulo o avistou apontou e gritou, mirem, un TUNDUQUE!!

Que dia…Ficam nossos agradecimentos à todos da bodega e do restobar!!!

Pessoal do Resto recebendo nosso kit de promoção da região das hortênsias...Canela e Gramado devidamente promovidos na terra dos vinhos da Argentina.

Valeu…

 
2 Comentários

Publicado por em 31 de janeiro de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos Winefreaks – Salentein, um colosso no Vale do Uco

Após nossa visita à Tupungato Winelands seguimos rumo a nosso próximo destino para passar o final do dia e noite – a bodega e pousada Salentein. A Salentein é um empreedimento estrangeiro de um grupo de investidores, principalmente holandeses, que resolveram apostar neste novo terroir na Argentina, o Valle de Uco há cerca de 10 anos atrás. O empreendimento Salentein compreende um total de 86.000 hectares. Aqui entram além dos vinhedos, exploração de frutas e pecuária. A Bodega tem uma área total de 2.000 hectares, no entanto, hoje, menos de 10% dessa área são explorados para as vinhas. Tem uma produção anual em torno de 2.800.000,00 garrafas ano exportando para mais de 40 países.

O nome Salentein vem do castelo homônimo onde o proprietário reside na Holanda e, segundo consta, ele vem três vezes ao ano a Argentina para acompanhar o andamento do projeto.

Chegamos no dia 29 no final da tarde e a Bodega já estava fechada, por isso, rumamos diretamente para a pousada. O caminho que leva a ela é incrível, uma estrada de terra e pedra de mais ou menos 1 Km de extensão rodeada de alamos e com a agua do degelo correndo entre as árvores…uma paisagem de cartão postal. Chegando a recepção fomos conduzidos aos quartos sem burocracia, nada de check in ou confirmação de resevas…segundo o atendente, depois, quando estivéssemos tranquilos e instalados, poderíamos preencher os papéis.

O acesso para a pousada e os álamos...

Os quartos são cabanas no meio dos vinhedos que recebem nomes de cepas, o nosso foi o Malbec, perfeito, em todos os detalhes. Na varanda não se escuta absolutamente nada além do ruído da água do degelo passando ao lado do quarto. Além disso, uma garrafa de Salentein Cabernet Sauvignon Reserva e um drink de boas vindas nos foi oferecido como forma de nos inserir no contexto da bodega.

Entre as opções de entretenimento, mountain-bikes estvam disponíveis para que os hóspedes pudessem conhecer os vinhedos e os demais atrativos da região. Resolvemos (Eu e o Cristiano, que escrevemos esse post à quatro mãos) dar umas bandas e encontramos uma paisagem incrível, intervenções arquitetônicas completamente integradas ao ambiente (como a lindíssima capela onde paramos para agradecer pela incrível oportunidade que estávamos tendo, além da própria bodega e cava de vinhos). Saindo da bodega e pegando a estrada visualizamos a vizinhança que conta com fincas e bodegas como Sophenia, Tapiz, Rutini e a surpreendente Azul (que será tratada em um post em breve). Um belo banho de piscina lavou o corpo cansado após as pedaladas e nos preparou para o que estava por vir.

O que pode ser melhor que uma piscina dessa depois de umas pedaladas??

À noite um jantar de três passos com direito a harmonização faz parte da diária da pousada. Conhecemos o gerente geral, Andres, que muito solicito, sabendo de nossa wine trip nos ofereceu para acompanhar o prato principal, truta, um Pinot Noir Primus safra 2007, a linha TOP da casa, além de nos dar dicas preciosas sobre outras opções de visitas na região.

Um brinde!!!

No dia seguinte rumamos para a visita e degustação na Bodega Salentein. Apesar do nosso já relativamente extenso cardápio de bodegas visitadas ao redor do mundo, poucas nos impressionaram como esta. Simplesmente estonteante, a entrada dá para um prédio de mármore e pedra com uma esposição de arte do artista Ruggero Leoncavallo, wine bar e loja. Aqui combinamos que passaríamos pelo passeio turístico completo para ver como funcionava e analisar se seria interessante como nos passeios privativos que havíamos feito até então. Iniciamos com um vídeo que contava um pouco a história da Salentein e seu legado, com imagens lindas e informações sucintas e bem interessantes.

A entrada da Bodega Salentein já impressiona...

Após este primeiro passo rumamos para outro prédio atravessando mais uns 100 metros de paisagem, onde realmente se localiza a produção. Tudo é colossal nesta bodega, desde a sala de fermentação e maceração com inúmeras pipas de inox de 5000 litros novas até a cava com mais de 5000 barricas de carvalho francês e americano novas.

No meio da nave da "catedral"com suas 5000 fiéis barricas de carvalho.

Depois de um passeio rápido guiado, sim, até guia tivemos neste encontro!! Passamos a sala de degustação com uma mesa de mármore travertino com mais de 3 metros de comprimento e 60cm de largura, simplesmente de perder o folego.

Jonas em nossa mesa de degustação privativa!!!

Degustamos 4 vinhos neste momento:

1º – Salentein Reserva Sauvignon Blanc safra 2011. Lindo amarelo esverdeado muito transparente, com aromas de ervas frescas, maracujá e frutas tropicais, na boca muito franco e típico e, apesar de não ter a força de alguns exemplares chilenos, estava realmente muito bem finalizado, com uma acidez muito bem posicionada. Excelente surpresa.

2º – Primus Pinot Noir safra 2007. A linha Primus é a linha TOP da bodega, poucas garrafas produzidas e somente nas melhores safras. Este não nos impressionou, muita força e pouca elegância, seus 15% de alcool e 18 meses de carvalho realmente se mostram em demasia, apagando a tipicidade desta casta. Uma informação importante: no dia anterior degustamos o mesmo vinho sem ter sido decantado – ao contrário deste que passou por uma decantação de quase 1 hora –  ficondo realmente bem melhor e mais equilibrado que o primeiro. Se vc for degustá-lo, fica a dica de obrigatoriamente passar uma aeração prévia de 1 a 2 horas.

3º – Salentein Reserva Malbec 2010. Um malbec ao estilo Parker, potência, extração, alcool, um tinto de pegada para aqueles que gostam de um Malbec ao verdadeiro estilo Argentino.

4º – Primus Malbec 2007. Aqui chegamos a um Malbec de respeito, apesar de seguir um estilão de força e concentração, apresentou uma elegância incrível, no nariz e na boca um perfeito equilíbrio entre seu lado macio e seu lado de dureza. Grande final de boca, boa persistência. Uma excelente escolha de compra para essa bodega.

Freaks reunidos e felizes após a bebedeira...ou melhor...degustação!!!

No geral os vinhos da Salentein que degustamos estavam todos muito bons, contudo, a impressão que nos passou foram de vinhos padronizados, feitos para agradar a um mercado sedento por vinhos perfeitos, sem arestas, mas nós, freaks, queríamos mais, queríamos vinhos que nos apresentassem arestas, pequenos defeitos, vinhos de autor, mas que no conjunto da obra fossem obras primas. Foi o que encontramos em nossa visita seguinte, mas isto é assunto para nosso próximo post.

Arriba, abajo, al centro e adentro!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de janeiro de 2012 em Bobagens, Dicas, Notícias, Novidades, Técnicas e conceitos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A saga dos Winefreaks – Chegada a Tupungato

Chegamos a nosso 4º dia de viagem e o destino agora era a cidade de Tupungato na região do Valle do Uco. Viagem tranquila de uns 140 Km sobre uma estrada muito boa com a cordilheira nos acompanhando. Nossa idéia em Tupungato era rumar diretamente para a pousada Tupungato Divino, indicação de um conhecido, porém, como não tínhamos reservas, íamos na torcida de conseguir os quartos para acomodar os 5 freaks.

On the road again!!!!

Entramos na cidade e nos deparamos com um problema já comum nessa viagem…o GPS simplesmente não possui informações detalhadas das cidades menores e não pudemos usá-lo para encontrar a pousada. Após uma série de tentativas frustradas acabamos encontrando cidentalmente uma enorme estrutura chamada Tupungato Winelands. Primeiramente achamos que poderia ser a pousada tão procurada. Ficamos parados em frente ao local mas não conseguíamos identicar o que era: Vinícola, Condomínio, Hotel? Após alguma discussão sobre se deveríamos entrar e furar nossa programaçao, resolvemos encarar, afinal de contas, os grandes momentos vem justamente de situações não programadas.

Após nos depararmos com essa imagem ficou a dúvida...entramos ou não??

E o nosso feeling estava calibradíssimo…que experiência incrível!!! Tupungato Winelands é um projeto imobiliário localizado a 50 min da cidade de Mendoza e 15 min de Tupungato, contando com uma área com 800 hectares de vinhedos com lotes privados e um campo de golfe com 18 buracos. Cada finca individual tem entre 2,5 a 4,5 hectares com 3000 m² reservados para a contrução de uma casa e o restante da área para ser dedicada aos vinhedos. Exatamente isto, o projeto consiste em cada morador ter seu próprio vinhedo na porta de casa!

O campo de golf com 18 buracos foi desenhado pela Adam Golf Design e está localizado a 1200 m de altitude sobre 60 hectáres de vinhedos, é lindo, e para aqueles que são golfistas uma notícia maravilhosa, o green fee para se jogar 18 buracos custa somente 180 pesos argentinos ( menos de R$ 90 reais). O campo não parece ser fácil, par 72, com buracos par 3, 4 e 5,  sendo que, praticamente desde o tee até o green o fairway é extremamente estreito e não permite erros.

Falando de vinhos, o vinhedo em Winelands tem acessoria do renomado enólogo Michel Rolland que tem a tarefa de ajudar aos proprietários a elaborar seus próprios vinhos.

Terminando nossa visita, chegamos ao restaurante do complexo, localizado em uma posição maravilhosa. no alto de uma colina. Ficamos um pouco temerosos dos valores dos pratos e vinhos, afinal de contas, clubes de golfe ao redor do mundo não são conhecidos por seus preços convidativos, ainda mais dentro de um vinhedo.

Lindo...mas será que era pro nosso bico??

Para nossa grata surpresa, os pratos tínham preços para lá de acessíveis…para se ter uma idéia, cada um pediu um bife de lomo, que estava muito bom, com empanadas e umas papas fritas rústicas maravilhosas de entrada. Tomamos dois vinhos brancos, um Portillo Sauvignon Blanc 2011 e um Zorzal Sauvignon Blanc 2011(ambos não decepcionaram…), gastando, com tudo isso incluído, incriveis R$ 60 por pessoa! Inacreditável!

Uma das iguarias do almoço...

Para completar as grandes surpresas do dia, teríamos de sair as 4 da tarde para caçar um lugar para nos hospedarmos, afinal ainda não tínhamos hotel reservado. Nesse momento, o gerente do local, Fernando Gonzalez, aproximou-se e nos sugeriu a Pousasa Salentein, dentro da renomado vinícola homônima. Ligou do celular pessoal e conseguiu uma reserva para cinco pessoas com tarifa especial e meia pensão! Dá para acreditar nisto?

A galera feliz à caminho da Pousada Salentein em um dia pra não esquecer jamais!!!

Mas isto é assunto para o próximo post do Blog.

Grande abraço a todos.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 29 de janeiro de 2012 em Dicas, Notícias, Novidades

 

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Regiões Vinícolas da Argentina – Mendoza

Imagine uma região que reúne bodegas tradicionais e centenárias, algumas ainda artesanais e outras com o que há de mais avaçado em termo de tecnologia no mundo em uma pequena faixa de terra seca, circundada pela Cordilheira dos Andes  Assim é Mendoza, província responsável pela produção de 70% dos vinhos e das vinícolas argentinas, onde é possível degustar e comprar alguns dos melhores e mais acessíveis vinhos do planeta.

A província tem 150 mil metros quadrados de uvas plantadas e cerca de 1.200 bodegas. É para realemente se embriagar! Mendoza produz os mais variados tipos de uva: malbec, merlot, cabernet sauvignon, pinot noir, sirah, entre ourtras que foram trazidas da França há séculos.

De norte a sul, existem cinco principais zonas, cada uma com suas sub-regiões, que possuem microclimas bastante distintos, dando oriegm a vinhos bastante diversos. As regiões de Mendoza são:

  • Norte: Las Heras e Lavalle
  • Leste: San Martin, Junin, Rivadavia, Santa Rosa e La Paz
  • Centro: Lujan de Cuyo, Maipu, Godoy Cruz e Guayamallém
  • Vale de Uco: Tupungato, Tunuyán e São Carlos
  • Sul: San Rafael e General Alvear.

Nos próximos posts vamos detalhar cada uma das regiões e seus ícones.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 22 de setembro de 2011 em Dicas

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  •  
    %d blogueiros gostam disto: